Três seguranças que trabalhavam na boate Hangar 677 no dia em que o fisiculturista Allan Guimarães Pontelo morreu dentro da casa de eventos foram detidos nesta terça-feira (24). As prisões temporárias por 30 dias foram ordenadas pela Justiça. A informação é do advogado Ércio Quaresma, que representa a empresa CY Security, responsável por fornecer os funcionários que atuaram no estabelecimento.

Os três detidos foram encaminhados para a Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP). De lá, eles serão transferidos para o Instituto Médico Legal (IML), onde vão ser submetidos a exames de corpo de delito e, posteriormente, levados para uma unidade prisional. 

A Polícia Civil confirmou que realizou operação nesta manhã referente ao caso. Porém, não deu detalhes sobre as prisões, os resultados dos laudos ou a conclusão do inquérito. "As investigações seguem em sigilo e outras informações serão repassadas somente na conclusão do IP", limitou-se a corporação.

A Hangar foi procurada pela reportagem, mas ainda não se manifestou.

'Ilegal'

Para Quaresma, que defende dois dos suspeitos, a prisão é arbitraria e desnecessária. "Não vi nenhum elemento que justificasse as prisões", declarou ao alegar que todos são primários, têm residência e emprego fixo. "No Brasil a moda é prender e ver o motivo depois", sentenciou.

Segundo o advogado, quatro seguranças foram indiciados, mas somente três foram encontrados neste manhã. Um deles, que portava uma arma no dia do caso, e que não é cliente de Quaresma, chegou a ser preso à época, mas foi solto pelo delegado. Os outros haviam prestado depoimento e sido liberados.

Um perito foi contratado para assessorar a defesa.

Leia mais:
Substância encontrada em corpo de fisiculturista causa alucinação, afirma CRF-MG
Empresa responsável pela segurança da boate Hangar contesta resultado do laudo da Polícia Civil
Fisiculturista que morreu em boate de BH não bebeu nem usou drogas, aponta laudo
 

Versões

Aos 25 anos, Allan morreu sob circunstâncias ainda nebulosas. A versão dos seguranças da boate é de que o rapaz foi flagrado usando drogas no banheiro do estabelecimento, localizado no bairro Olhos d'Água, região do Barreiro. Ao tentar fugir do local, saltando as grades de contenção, o fisiculturista já teria caído desacordado.

Já a família de Allan garante que ele foi espancado pelos seguranças. “Ele sofreu traumatismo craniano. Foi preciso fazer um enxerto no crânio para colocá-lo no caixão. Ele teve o nariz e dentes quebrados, ficou com o rosto deformado. Ninguém o reconheceu durante o velório”, afirmou a fotógrafa Marcella Paiva, namorada de Allan, logo após morte do jovem.

No Boletim de Ocorrência registrado pela Polícia Militar no dia da morte, constou que o corpo apresentava escoriações, manchas de sangue nos pés e na boca, além das roupas rasgadas.

Droga

Laudos toxicológico e de alcoolemia realizados no corpo do estudante de educação física comprovaram que ele não fez uso de drogas nem álcool no dia em que morreu. Contudo, foi detectada uma substância, a cetamina, que é usada como anestésico para procedimentos cirúrgicos, sedação e analgesia.