Operação do Ministério Público de Minas Gerais (MPMG) contra fraude em licitações na Câmara Municipal de Itaúna, na Grande BH, cumpriu, na manhã desta terça-feira (10), 13 mandados de busca e apreensão nas residências e endereços profissionais de seis investigados, incluindo gabinetes da casa do Legislativo. A ação teve o apoio das polícias Militar e Civil. 

De acordo com o MP, a operação 'Carona Sinistra' investiga fraudes na licitação de contratação de agência de publicidade, apropriação de dinheiro público na execução de contrato fraudulento, além de peculato-desvio e associação criminosa. Outras infrações penais não estão descartadas e poderão ser comprovadas no decorrer do procedimento investigatório criminal.

A decisão judicial ainda determinou cautelarmente o afastamento de envolvidos das respectivas funções públicas e a proibição de contato entre os alvos da operação, além de proibir o acesso à Câmara Municipal por parte dos investigados. 

A ação contou com a participação de quatro promotores de justiça, seis servidores da Promotoria do Patrimônio Público de Itaúna e do Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado (Gaeco) de Divinópolis, além de 41 policiais militares e 28 policiais civis.

A reportagem não teve acesso aos nomes dos envolvidos. A Câmara de Itaúna foi procurada e até o momento não se posicionou.