Como forma de reparação dos danos causados pelo rompimento da barragem da Mina do Córrego do Feijão, em Brumadinho, na Região Metropolitana de Belo Horizonte, a Vale informou que a cidade de Pará de Minas, na região Central, terá acesso a novo ponto de captação de água, no rio Pará, em julho deste ano. Antes da tragédia ambiental, o município era abastecido pelo rio Paraopeba, atingido pela lama.

De acordo com a empresa, a população é assistida por ações da mineradora para abastecimento de água enquanto a obra não é concluída. Quando estiver pronta, a estrutura de captação no rio Pará terá capacidade de pouco mais de um milhão de litros por hora, mesma vazão que Pará de Minas colhia no rio Paraopeba.

"A Vale desenvolveu e protocolou junto ao Instituto Mineiro de Gestão das Águas (Igam) estudo que verificou a disponibilidade hídrica do rio Pará para subsidiar o pedido de outorga do novo ponto de captação sem prejuízo do curso d’água", informou a empresa. A mineradora produziu um vídeo sobre o assunto. Veja:

Conforme a Vale, a captação estará funcionando em julho, prazo legal estabelecido com a Justiça. Mesmo com a rede prestes a ser entregue, a empresa não descarta o possível retorno da captação no Paraopeba. Se isso ocorrer, Pará de Minas "poderá ter sua capacidade outorgada mais que dobrada em relação ao que era antes do rompimento".

A Vale ainda informou que após a conclusão da estrutura, o comando da captação será entregue à prefeitura local, e esse poderá ser operado remotamente pela Concessionária Águas de Pará de Minas "por meio de um sistema completo de automação instalado", finalizou.

Pará de Minas

Obras devem finalizar em julho, como previsto judicialmente