Por falta de expedição de mandados de busca e apreensão a endereços de computadores, Minas não integra a operação de combate à pedofilia Luz da Infância, que está em sua sexta edição, e foi deflagrada nesta terça-feira (18). Coordenada pelo Ministério da Justiça e Segurança Pública, a operação ​tem a participação das Polícias Civis de 12 Estados e também de equipes investigativas de quatro países: Colômbia, Estados Unidos, Panamá e Paraguai.  

O objetivo é identificar e punir autores de crimes sexuais contra crianças e adolescentes por meio do rastreamentos dos IPs, que são os endereços virtuais de computadores que foram rastreados com armazenamento e compartilhamento de arquivos com conteúdos pornográficos e criminosos envolvendo menores. 

Ao todo, foram expedidos 112 mandados de busca e apreensão, 187 mil arquivos analisados e 2.3 terabytes em volumes de dados oriundos de cinco países, incluindo o Brasil. 

Há, em Minas, pelo menos três IPs investigados pela Polícia Civil, sendo um em Belo Horizonte e dois em Betim, na região metropolitana de Belo Horizonte. Apesar de terem sido representados os mandados de busca e apreensão aos endereços investigados, a Justiça não os expediu. 

Procurada pela reportagem, a assessoria do Tribunal de Justiça de Minas Gerais informou que não pode das mais informações sobre o motivo da não expedição dos mandados porque os processos são sigilosos. 

Leia mais:

'Pega pega' combate exploração sexual de crianças na web e prende homem em flagrante em Minas
Especialistas ensinam como orientar as crianças e identificar abusos sexuais; assista ao vídeo
Condenado a 136 anos de prisão por estuprar cinco crianças é casado e pai de oito filhos