A Serra do Curral, um dos principais cartões postais de Belo Horizonte, voltou a ser consumida pelo fogo. De acordo com o Corpo de Bombeiros, as chamas atingem a vegetação na altura do bairro Belvedere, região Centro-Sul da capital. Desde domingo incêndios atingem o local.
 
Conforme militares do 1º Batalhão, dois helicópteros da corporação, além de oito bombeiros, trabalham para debelar o fogo de grandes proporções. O trecho incendiado é de difícil acesso e fica próximo a antenas de TV. As chamas, contudo, não ameaçam residências.
 
Somente na quinta-feira (2), os bombeiros informaram que foram registrados 78 ocorrência de incêndio em vegetação na Grande Bh, sendo que 15 atingiram lotes vagos e 63 matas.
 
Devastação
 
O fogo já consumiu 70 mil hectares de área verde em Minas neste ano, segundo dados da Secretaria de Estado de Meio Ambiente. Na maioria dos incêndios, a suspeita é de ação criminosa. De janeiro até o mês passado, a Polícia Civil de Minas Gerais já tinha instaurado 97 inquéritos para apurar as causas de focos na Grande BH, principalmente nos parques estaduais da Serra do Rola-Moça, em Brumadinho, e no Serra Verde, atrás da Cidade Administrativa.
 
Dados da força-tarefa do Programa de Prevenção e Combate a Incêndios Florestais (Previncêndio) mostram que as ocorrências de queimadas criminosas em unidades de conservação estaduais (parques e reservas biológicas) até o dia 30 de setembro deste ano já ultrapassaram os registros de todo o ano de 2013. Foram 471 ocorrências no interior de parques e 158 no entorno dessas unidades de conservação, o que totaliza 629 focos de incêndios, que destruíram 13.864 hectares de vegetação nativa.
 
Seca
 
Em Minas Gerais, 151 municípios decretaram estado de emergência devido à escassez de chuvas, segundo a Coordenadoria Estadual de Defesa Civil (Cedec). A última cidade incluída na lista, onde a situação se agravou, foi Rio Vermelho, na região Central do Estado. A estiagem prolongada afeta diversos cursos d'água e rios como o São Francisco, em Pirapora, o rio Verde Grande, no Norte de Minas, e a lagoa da Codorna, em Nova Lima.