Alunos e professores de psicologia da Faculdade Promove distribuíram, na noite desta segunda-feira (17), aproximadamente 600 mensagens de conscientização sbre o suicídio. A mobilização, que marca o Setembro Amarelo, campanha nacional de prevenção ao ato, atingiu alunos do campus Prado, região Oeste de Belo Horizonte, antes do início das aulas. 

Estudantes de outros cursos aprovaram a atividade. Célia Morais, do 1º período de enfermagem, afirmou que é importante acender luz ao tema. “É necessário falarmos sobre o suicídio durante todo o tempo, já que o assunto é sério e merece atenção”, disse. Já o aluno de direito Pedro Henrique Oliveira ressaltou que a ação pode “dar um norte” para uma pessoa que esteja em sofrimento.

Tabu

Uma das estudantes de psicologia que participaram do processo de elaboração e produção do evento, Monique Cristina justifica que a campanha é necessária, principalmente por o suicídio ser tratado como tabu. “Esse assunto merece ser desmistificado de forma bem tranquila e aberta, já que cada ser humano tem um universo dentro de si. É importante falarmos abertamente sobre o assunto”, explica. Marina Reis, que também colaborou com a ação, complementa que a entrega de mensagens positivas pretende dar esperança para quem estiver passando por momentos difíceis. 

De acordo com a coordenadora do curso, Maria Rita Britto Tupinambá, o envolvimento dos alunos fez com que o objetivo fosse atingido. “Para conscientizar as pessoas sobre o tema, não é necessário algo mirabolante. O recado, simples, tem que ser dado da mesma forma: simples”, fala a professora. 

Ainda de acordo com ela, caixas foram instaladas na faculdade para que os alunos depositem angústias e alegrias e serão mantidas até o final do semestre. “A caixa de tristeza vai ser, simbolicamente, queimada. Já a que vai receber casos positivos, permanecerá para que os alunos recebam, depois, as histórias que foram colocadas”, comenta.

A atividade nasceu em um grupo de extensão da instituição que tem como prerrogativa os temas discutidos pelo Ministério da Saúde, Organização Mundial da Saúde (OMS) e os conselhos de Psicologia.

Auxílio

Na semana passada, o Hoje em Dia publicou uma matéria sobre o auxílio das redes sociais como forma de prevenção ao suicídio. Na terça-feira (11), o Twitter estreou um serviço de notificações no Brasil. Quando alguém buscar por temas relacionados ao autoextermínio, o primeiro resultado será um incentivo para que ela procure ajuda. Já o Facebook divulgará vídeos de conscientização, em parceria com a ONG Nova Escola.

Além de contatar o usuário, as redes sociais indicam formas de buscar ajuda, como o Centro de Valorização da Vida (CVV), grupo de voluntários que dá apoio emocional, atendendo gratuitamente pessoas que precisam conversar, de forma anônima. O telefone para falar com algum voluntário do CVV é 188. A ligação é gratuita.

Em Minas, 593 casos de suicídio foram registrados em 2018. Todos os dias, pelo menos três mineiros tiram a própria vida. Os dados, da Secretaria de Estado de Saúde do Estado de Minas Gerais (SES-MG), ainda apontam que 78% desse número é em relação às mulheres. 

Ato de prevenção ao suicídio na Faculdades Promove entrega 600 mensagens de conscientização