Com início pontual às 15h deste sábado (18) e término 43 minutos depois, o simulado de fuga em caso de rompimento de barragem em Barão de Cocais, na região Central, foi avaliado positivamente pela Defesa Civil Estadual, mesmo com a adesão de apenas 26,75% por parte da população. Durante o exercício, uma mulher tentou se matar e uma manifestação foi realizada no local. 

De acordo com o tenente-coronel Flávio Godinho, coordenador-adjunto do órgão estadual, eram esperadas aproximadamente 6.054 pessoas. No entanto, 1.625 moradores participaram do simulado. Godinho reconheceu que o número é baixo, mas afirmou que esse fato não atrapalhou o cumprimento do objetivo. 

"A mobilidade na cidade foi bem alta. Várias pessoas foram indagadas por que não estavam se deslocando para o ponto de encontro e as respostas eram únicas: elas conheciam o deslocamento e sua rota de fuga e, por isso, não quiseram participar", afirmou, em coletiva realizada após o trabalho. 

Outra razão para a baixa adesão popular, segundo o coordenador-adjunto da Defesa Civil Estadual, está no fato de que muitos moradores já haviam participado do primeiro simulado, em 25 de março deste ano. Na ocasião, o teste foi cumprido em 32 minutos, 11 minutos a menos do que o realizado neste sábado. O tempo máximo para socorrimento civil é de 1h12. 

"As pessoas saem mais devagar, por saberem que é uma repetição de um simulado. Umas demoram mais a sair de suas residências. Mas ainda assim conseguimos atingir nosso objetivo", afirmou. 

Em relação aos acamados que se negaram a mudar para hotéis ofertados pela Vale, a Defesa Civil informou que esses não foram incluídos na simulação porque são pessoas com dificuldade de locomoção. No entanto, foi feito um treinamento de busca ativa, com equipe multidisciplinar, de ida às residências dessas pessoas. 

Segundo Godinho, após esse exercício com os idosos ou pessoas com dificuldade de locomoção, providências serão discutadas com a Vale em reunião de fim de trabalho e posteriormente adotadas. Essas pessoas terão socorro exclusivo em caso de rompimento. "Uma equipe específica vai apadrinhar aquela residência (do acamado) para, em caso de rompimento, ter como missão única deslocar-se para aquela casa e fazer a condução daquela pessoa", explicou. 

Estrutura de trabalho

Durante o simulado, moradores reclamaram que os carros de som contratados pela Vale não passaram em todas as rotas e que trabalharam em nível sonoro insatisfatório. Segundo a Defesa Civil, esses assuntos também serão repassados na reunião de fechamento com a Vale. O carro de som é necessário porque, em caso de rompimento, o barulho da sirene não chega ao Centro de Barão. Segundo Godinho, o órgão não trabalha com a possibilidade de um novo simulado na cidade. De acordo com ele, todas as pessoas já foram treinadas. 

Também simultaneamente ao exercício, a Defesa Civil e equipes de saúde que estavam no local realizaram 38 atendimentos psicossociais  em residências. Ao todo, 424 pessoas trabalharam na simulação, incluindo o órgão estadual (8), Defesa Civil municipal (8), Polícia Militar (24), profissionais de assistência social (15) e contratados da Vale (350). 

Manifestação e tentativa de suicídio

Durante a realização do simulado, um grupo de manifestantes segurou faixas e cartazes cobrando um resultado mais efetivo da Vale em relação à situação das barragens. De acordo com a Defesa Civil, por passarem pelas rotas de fuga, os manifestantes também foram treinados.

Outro fato registrado durante o simulado foi uma tentativa de suicídio. De acordo com a Polícia Militar, uma mulher de 32 anos pulou do terceiro andar da casa onde mora, no bairro São Miguel. Com o pulo, ela quebrou o telhado de um barracão no primeiro andar e, em seguida, caiu no chão.  

A mulher foi levada, com vida, para o hospital da cidade e está internada. Segundo relatos de familiares aos militares, ela sofre de depressão e já havia tentado suicídio outras duas vezes. Neste sábado, a mulher teria ingerido bebida alcóolica.

Embora a tentativa tenha ocorrido durante o simulado, a Defesa Civil não vê relação com o exercício de fuga. 

Balanço do simulado:

Veículos utilizados
- Defesa Civil Estadual (3), PMMG (12), Corpo de Bombeiros (5), aeronave (1) e ambulâncias (8).  

Tempos de deslocamento
- Início: 15h
- 1ª pessoa a chegar em um ponto de encontro: 15h01;
- Última pessoa a chegar em ponto de encontro: 15h49;
- Final da evacuação da área de risco: 15h43.

 

Leia mais:
Vale inicia construção de muro de contenção próximo à barragem em Barão de Cocais