O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) informou nesta terça-feira (18) que exames laboratoriais detectaram a presença da substância tóxica dietilenoglicol (DEG) ou etilenoglicol em mais dois rótulos da cervejaria mineira Backer. Além dos 10 que já haviam sido anunciados, o líquido tóxico foi encontrado na Layback D2 e Três Lobos Pilsen.

Com isso, os rótulos que já tiveram contaminação confirmada pelo Mapa são a Belorizontina, Backer Pilsen, Backer Trigo, Brown, Backer D2, Capixaba, Capitão Senra, Corleone, Fargo 46, Layback D2, Pele Vermelha e Três Lobos Pilsen.

O novo levantamento do Mapa mostrava que também aumentou o número de lotes com a presença da substância, indicando 55 no total. Dois dias depois, porém, a Pasta corrigiu a informação, já que um mesmo lote estava sendo contado duas vezes.

"Cabe ressaltar que ambos contaminantes são tóxicos e não podem estar presentes na composição da cerveja", ressaltou o ministério, em nota.

Veja, abaixo, todos os rótulos e lotes contaminados:

Backer

Por causa do risco à saúde pública, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) proibiu a Backer de vender cervejas. Além do embargo comercial, a empresa também está impedida de produzir todos os rótulos de cerveja e chopp do grupo e foi obrigada fazer o recall de todos os produtos em que já foi constatada a contaminação. 

"A empresa permanece fechada cautelarmente até que comprove que promoveu as alterações necessárias em seu processo produtivo e equipamentos, para garantir a segurança dos produtos elaborados", ressaltou o Mapa.

Devido à interdição da fábrica, mais de 150 funcionários da cervejaria foram demitidos.

Casos

São 31 notificações de pessoas afetadas pelo consumo das substâncias tóxicas – 26 homens e cinco mulheres. Quatro tiveram o dietilenoglicol detectado no sangue por exames e os outros permanecem em investigação. Uma morte pela substância foi confirmada e cinco estão sendo apuradas.