A proibição da utilização de aplicativos para transporte individual remunerado, como o Uber, vai ganhar mais um capítulo nesta sexta-feira (5). Isso porque o presidente da Sociedade de Usuários de Informática e Telecomunicações de Minas Gerais (Sucesu Minas), Leonardo Bortoletto, assegura que a instituição vai protocolar um mandado de segurança na justiça de BH contra promulgação da Lei Municipal n. 10.900, sancionada no último dia.

Segundo o presidente da entidade, o objetivo da ação é defender os direitos dos associados de continuar trabalhando com o desenvolvimento de novas tecnologias que contribuam para a melhoria da mobilidade urbana e da qualidade de vida dos cidadãos nos grandes centros urbanos.

“Não queremos abrir precedentes de futuras proibições do uso de aplicativos, inclusive em outras áreas como saúde e educação, inviabilizando a atuação de programadores e desenvolvedores da área de tecnologia em projetos inovadores e de utilidade pública. É um direto constitucional e devemos garantir o sustento destes profissionais”, explicou Bortoletto.