A Receita Estadual de Minas Gerais, com o apoio da Polícia Civil, cumpriu na manhã desta sexta-feira (21), mandados de busca e apreensão em uma empresa de cosméticos e produtos de higiene pessoal, sediada em Belo Horizonte.

De acordo com a Receita, dados preliminares estimam que a companhia, que não teve o nome divulgado, gerou um prejuízo superior a R$ 8 milhões aos cofres públicos pelo não recolhimento do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS).

A ação foi batizada de "Operação Corretivo", em alusão ao produto de maquiagem utilizado para camuflar falhas estéticas, e tem como objetivo recolher informações que possam comprovar as irregularidades fiscais e identificar as empresas que teriam se beneficiado do esquema.

Ainda segundo o órgão, investigações apontaram indícios de fraudes de estabelecimentos desse segmento. Essas empresas são suspeitas de adquirir cosméticos e produtos de higiene sem nota, de diversos fornecedores que também fariam parte do esquema, e comprariam os documentos fiscais do alvo da operação, mediante o pagamento de um percentual sobre o valor da suposta operação.

Sobreo alvo da operação nesta quinta, a Receita disse ainda que levantamentos apontaram um volume de vendas do atacadista muito superior à entrada das mercadorias com nota, entre janeiro e maio de 2020.

Em material divulgado pela Secretaria de Estado da Fazenda, o coordenador da operação, o auditor fiscal Leonardo Drumond, afirmou que o material apreendido será analisado para a cobrança dos valores sonegados.