Após 16 dias do início das investigações da morte do professor universitário Rafael Adriano de Oliveira Severo, de 37 anos, policiais do Departamento de Investigação de Homicídios e Proteção à Pessoa, prenderam o suspeito de 24 anos apontado como responsável pelo assassinato. O homem, que confessou o crime, se entregou no último fim de semana.

Rafael foi morto no dia 3 de outubro, dentro de casa, no bairro Arvoredo II, em Contagem, na Região Metropolitana de Belo Horizonte. Durante as declarações prestadas à polícia, o suspeito disse ser garoto de programa e afirmou que o professor era seu cliente desde março de 2013.

Os dois teriam se conhecido em uma sala de bate-papo na internet. Após descobrir que suspeito era casado e que tinha filhos, Rafael iniciou uma série de conflitos com o suspeito, já que tinha intenção de estabelecer um relacionamento estável com ele. Temendo que sua família descobrisse a atividade que desempenhava em sigilo, o suspeito então cometeu o crime.

De acordo com a linha de investigação da polícia, existe a suspeita de que a vítima tenha sido dopada, amarrada, amordaçada e, por fim, asfixiada. O delegado Alex Machado, que coordena as investigações, destacou que aguarda o resultado de exame para confirmar se o professor foi vítima do golpe conhecido como ‘boa noite cinderela’, o que teria diminuído a capacidade de reação física do professor. O corpo da vítima foi encontrado por uma amiga, que foi ao apartamento do professor após alunos da faculdade em que lecionava manifestassem preocupação devido à sua ausência no trabalho.

A fim de dificultar as investigações e também a descoberta do crime, o suspeito teria levado alguns objetos do apartamento da vítima, tais como a chave do imóvel, o computador onde os dois trocavam mensagem, assim como telefones fixo e celular, visando impossibilitar tentativas de contato dos policiais com parentes e amigos do professor.

Assista ao vídeo divulgado pela polícia onde o suspeito aparece no prédio da vítima: