O suspeito de ser o mandante do assassinato de um taxista foi preso, nesta quarta-feira (5), em Campo Belo,  no Centro-Oeste do Estado. Segundo a Polícia Civil (PC), Luciano Andrade, vulgo Juca Tigre, de 37 anos, foi preso em casa. A vítima, José Campideli, de 92 anos, desapareceu em 28 de outubro, em Santo Antônio do Amparo, depois de ser acionado para fazer uma corrida. O idoso foi morto brutalmente, sendo espancado e enforcado.
 
Juca Tigre foi apontado como o mandante do homicídio por um dos suspeitos pelo crime. Em depoimento, ele negou envolvimento no assassinato. O suspeito foi detido preventivamente e encontra-se no presídio de Lavras, no Sul de Minas Gerais.
 
Até o momento, a PC não trabalhava com a hipótese do crime ter um mandante. Devido à nova informação, a motivação do crime, que era inicialmente o roubo ao veículo de Campideli, será melhor investigada. 
 
Relembre o caso
 
O taxista José Campideli, de 92 anos, desapareceu no dia 28 de outubro após de ser chamado para fazer uma corrida. O corpo da vítima somente foi encontrado na madrugada de 30 de outubro, dentro de uma vala, na zona rural de Santo Antônio do Amparo, no Centro-Oeste do Estado. 
 
Um dos suspeitos, Bruno Rodrigues, de 24 anos, foi preso em flagrante na tarde de 29 de outubro, mas foi um adolescente, de 14 anos, suposto comparsa do jovem, quem assumiu o crime.
 
Em 28 de outubro, um dos filhos de Campideli foi a um batalhão da PM depois de ter visto o carro do seu pai, um veículo Chevrolet Corsa, passando pelo Centro do município. No interior do veículo, estariam outros quatro ocupantes, sendo alguns encapuzados. Conforme as informações do boletim de ocorrência, o filho alegou que tentou seguir o veículo, mas acabou perdendo-o de vista.
 
Um intenso rastreamento foi feito pelos militares na cidade, mas a vítima e o veículo não foram localizados. O caso foi passado para a 10ª Delegacia de Polícia Civil de Santo Antônio do Amparo. Os policiais civis deram, então, início às investigações e conseguiram localizar o veículo no dia 29 do mês passado. “Quando tentamos abrir o carro, o alarme foi acionado e um homem apareceu”, contou o delegado Leandro Macedo Costa, responsável pela investigação.
 
O homem era Bruno, que alegou apenas ter roubado o carro e cerca de R$ 100, que estava com a vítima. “Durante as diligências, um menor também apareceu e confessou o homicídio”, afirmou Costa. De acordo com o delegado, o adolescente contou que, na companhia de Bruno,  enforcou e espancou a vítima. 
 
Somente na madrugada do dia seguinte a dupla levou à polícia até o lugar onde estava o taxista. Segundo o delegado, o corpo foi jogado em uma vala, às margens de uma estrada da zona rural de Santo Antônio do Amparo. 
 
Bruno foi encaminhado para o presídio de Lavras, no Sul do Estado, e deverá ser indiciado por latrocínio, quando ocorre o roubo seguido de morte. Já o adolescente foi entregue aos pais, pois, quando foi encontrado, o tempo do flagrante já havia passado. Os pais do menor, no entanto, tiveram que assinar um termo de responsabilidade, no qual, entre outras coisas, proíbe a saída dele da cidade.