As cirurgias eletivas não essenciais, aquelas previamente agendadas pelos hospitais do Sistema Único de Saúde (SUS), permanecem suspensas pela Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES) até 30 de junho. A medida foi anunciada nesta quinta-feira (29) após reunião do Comitê Executivo Covid-19 e foi tomada em decorrência da pandemia, para um controle mais efetivo do estoque de sedativos utilizados na intubação de pacientes. 

Os procedimentos foram suspensos em fevereiro. "O grupo estuda a possibilidade de retorno gradual durante esse período, permitindo, por exemplo, aquelas cirurgias que não utilizam os medicamentos do kit intubação", informou em nota.

Segundo o secretário de Saúde, Fábio Baccheretti, insumos têm chegado a Minas e é possível que, antes de junho, o Estado consiga restabelecer um estoque seguro de medicamentos. “Nos próximos dias, vamos receber, por exemplo, cerca de 120 mil ampolas de sedativo, o que já nos ajuda a ter mais segurança”, afirmou.

Ainda de acordo com a pasta, a suspensão das cirurgias não se aplica aos pacientes cardíacos ou oncológico, uma vez que esses procedimentos são classificados como essenciais.

Até o momento, Minas Gerais já teve 1.351.739 pessoas com teste positivo para a Covid-19, sendo que 8.847 delas foram notificadas ao Estado somente nas últimas 24 horas. Desde a véspera, 416 mortes causadas pelo novo coronavírus foram registradas entre mineiros. Ao todo, desde o início da pandemia, o Estado já perdeu 33.401 pessoas para a doença.

A informação está no boletim epidemiológico do governo desta quinta-feira (29).

Leia Mais:
Após queda na incidência de Covid, quatro macrorregiões mineiras vão avançar para a Onda Amarela
Minas registra 416 óbitos em 24 horas e mortes por Covid-19 passam de 33,4 mil
Brasil recebe 1 milhão de doses da vacina contra a Covid-19 da Pfizer nesta quinta-feira