Órgãos de segurança e moradores de Barão de Cocais, na região Central de Minas, esperam para qualquer momento o colpaso do talude da cava da Mina Gongo Soco, que poderia provocar a ruptura da barragem Sul Superior, a 1,5 km de distância da estrutura. Relatório da Vale, responsável pela mina, revela que o talude pode se romper deste domingo (19) até o próximo sábado (25).

A dimensão da ruptura ainda é desconhecida e, até o momento, a Vale não informou se a vibração provocada por ela poderia causar a desestabilização e o colapso da barragem. Se o pior cenário for confirmado, a onda de rejeitos deve atingir a área Central da cidade e os bairros São Geraldo, São Benedito, Três Moinhos e Vila Regina, impactando aproximadamente 6 mil pessoas.

A Defesa Civil, o Corpo de Bombeiros, a Polícia Militar e outros órgãos, como Agência Nacional de Mineração (ANM), estão em alerta. Para evitar novos desastres humanos, como o que ocorreu em Brumadinho, na Grande BH, quando o rompimento da Mina Córrego do Feijão deixou 240 mortos e 30 desaparecidos, os moradores de Barão de Cocais passaram por um treinamento sobre deixarem as áreas de risco e seguirem para pontos seguros do município. 

Além disso, a Justiça mineira ordenou que a Vale apresente estudo completo com impactos e danos ocasionados pelo possível rompimento da barragem. A decisão obriga a mineradora a entregar o chamado “dam break” até segunda-feira (20), sob pena de multa de R$ 300 milhões em caso de descumprimento.

Por nota, a Vale declarou que já apresentou o relatório mais atualizado de dam break da Barragem Sul Superior, "explicando naquela oportunidade a adequação dos critérios técnicos". Além disso, a empresa garantiu que não foi intimada de qualquer decisão quanto a eventual descumprimento da decisão liminar.

Arte Barão de Cocais
Entenda onde está o talude e como ele pode afetar a barragem da Vale. Clique na imagem para ampliá-la

Monitoramento

Ainda em comunicado enviado à imprensa, a Vale disse que a cava da Mina de Gongo Soco vem sendo monitorada 24 horas por dia de forma remota, "com o uso de radar e estação robótica capazes de detectar movimentações milimétricas da estrutura, além de sobrevoos com drone". O vídeo-monitoramento é feito em tempo real.

A empresa garantiu que iniciou, na última quinta-feira (16), a terraplenagem para construção da contenção em concreto localizada a 6 km a jusante da barragem Sul Superior. De acordo com a Vale, a estrutura seria capaz de reter grande parte do volume de rejeitos da barragem em caso de rompimento. "Essa obra atuará como barreira física no sentido de reduzir a velocidade de avanço de uma possível mancha, contendo o espalhamento do material a uma área mais restrita", garantiu por meio de nota.

Leia mais:
Mais de 200 esculturas e bens culturais são retirados da área de barragem em Barão de Cocais
Justiça determina que vale execute plano de proteção aos animais de Barão de Cocais
Vale admite que monitoramento em Brumadinho não funcionou