Os taxistas de Belo Horizonte fazem uma carreata na tarde desta terça-feira (4) contra os aplicativos de carona, assunto que está em pauta na Câmara dos Deputados. "Estamos esperando que o PL 5587, que trata da regulamentação do aplicativo em nível nacional, seja votado. O nosso medo é que ele não seja votado novamente", afirmou Dirceu Vilarino, diretor Financeiro do Sincavir, sindicato que representa a categoria. Segundo ele, 1.500 taxistas participam da carreata. A Polícia Militar não passou o número de manifestantes.

Segundo a BHTrans, o protesto desta tarde está provocando congestionamento em vários pontos de Belo Horizonte. Por volta das 15h, a carreata estava na rua Guaicurus e seguia em direção à Praça Sete, no Centro da cidade.

O protesto começou por volta das 14h, na avenida Cristiano Machado, quando foi registrada retenção ultrapassando a avenida José Cândido da Silveira, no sentido centro.

Ainda segundo a BHTrans, no Túnel da Lagoinha,  também foi registrado congestionamento. A carreata chegou a ocupar duas faixas da pista e apenas uma ficou aberta para o trânsito

Segundo o Sincavir, a previsão de percurso é: Cristiano Machado, Jacuí, Praça Sete, Praça Raul Soares, Cristiano Machado até a Cidade Administrativa, na MG 10. 

Atualmente, por força de liminar, as autoridades de trânsito estão proibidas de fiscalizar os aplicativos, que rodam livremente na capital. O Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) já instaurou procedimento para decidir sobre a situação. 

TaxistasAntes da carreata, taxistas se reuniram na porta do sindicato

Votação na Câmara dos Deputados

O projeto de lei sobre a regulamentação dos serviços de transporte individual privado (PL 5587/16) é o destaque do Plenário da Câmara dos Deputados nesta terça-feira (4). De autoria do deputado Carlos Zarattini (PT-SP), o PL 5587/16 permite que qualquer serviço de transporte de passageiros seja oferecido somente por meio de veículos que tenham a caixa luminosa externa com a palavra “táxi” e possuam taxímetro. Com isso, segundo a empresa Uber, uma das empresas que presta serviços de transporte agendados por meio de aplicativos, a proposta inviabilizaria sua atuação nos moldes existentes hoje.

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, adiantou que as negociações em torno de um texto alternativo caminham na direção de se fazer uma regulamentação geral, deixando para os municípios a regulamentação específica sobre o tema. No ano passado, Maia havia prometido que a matéria iria a votação depois do fim de março.

Fonte: Câmara dos Deputados

Leia mais:
Vereadores de BH articulam derrubar proibição do Uber e serviço pode ser taxado
Cabify vai investir US$ 200 mi no Brasil
Motoristas de aplicativos como Uber e Cabify já combinam corridas 'por fora' com os passageiros