Cerca de 60 motoristas de táxi-lotação fecharam duas faixas da avenida Afonso Pena, no Centro da capital, na manhã desta quinta-feira (9), no sentido bairro Mangabeiras, na região Centro-Sul da capital. O motivo é a retirada de um ponto na principal avenida da cidade. Os reflexos no trânsito puderam ser percebidos na avenida Amazonas. 

De acordo com Antônio Alves, presidente da Associação dos Motoristas de Táxi-Lotação de Belo Horizonte (AMTLBH), há dois pontos principais (que atendem ao maior número de pessoas) de embarque de passageiros na Afonso Pena: na altura do número 342, próximo à Rodoviária; e o outro, próximo ao número 800, na Praça Sete, local que, segundo Alves, foi cancelado pela BHTrans nessa quarta-feira (8), sem aviso prévio ou explicação de motivação.

"Esse ponto é um direito nosso. Estamos há 19 anos no local. Precisamos de mais oportunidade para trabalharmos e não mais dificuldades", afirmou Antônio, que também informou que o manifesto foi encerrado pois o grupo foi convidado para uma reunião com Célio Freitas Bouzada, presidente da BHTrans, ainda nesta manhã, na sede da empresa, no bairro Buritis, na região Oeste da capital. 

O protesto, que teve início por volta das 7h30 e foi encerrado às 9h, atrapalhou o trânsito. 

Segundo a BHTrans, o ato criou retenção percebida até a rua Caetés e refletiu na avenida Amazonas. Por esse motivo, a empresa desviou as linhas 50 e 83D pela ruas dos Tupis, Mato Grosso e pelo Viaduto Oeste. Ainda segundo a empresa, a alteração evitou que a operação dessas linhas fosse impactada. 

O batalhão de trânsito da Polícia Militar acompanhou o ato no local. 

A BHTrans informou, em nota, que realizou um teste operacional para o funcionamento do ponto de táxi na avenida Afonso Pena, 774, entre Amazonas e Tamoios, em atendimento a solicitação dos taxistas. 

No entanto, em função da interferência da operação dos táxis-lotação no ponto de ônibus e de uma área de embarque e desembarque existente no local, o teste foi desativado.

"Os taxistas poderão utilizar o ponto existente no quarteirão seguinte da avenida Afonso Pena, entre ruas Espírito Santo e Tupis. O presidente da BHTrans, Celio Bouzada, se dispôs a receber representantes da categoria, assim que a avenida Afonso Pena for desobstruída", informou.