Foco no doente e atendimento agilizado são benefícios atribuídos à implantação crescente da tecnologia na relação médico-paciente. As plataformas chegaram à área da saúde para atuar em funções consideradas repetitivas, como a preparação de aparelhos para procedimentos, e que ocupam um tempo importante na rotina dos profissionais. Com a ajuda das máquinas, o setor humaniza cada vez mais as consultas.

O tema ganhou a programação da feira Expo-Hospital Brasil, a ser realizada em setembro na capital mineira. O anestesiologista Diógenes de Oliveira Silva, um dos palestrantes do evento, afirma ser possível transformar números e diagnósticos de prontuários em informações essenciais para a assistência prestada.

CEO da startup de tecnologia Anestech Innovation Rising, o especialista criou uma ferramenta usada por anestesistas nas cirurgias. O recurso permite coletar registros sobre o doente que, em um banco de dados, gera estatísticas para promover o bem-estar da pessoa operada, reduzindo até mesmo efeitos colaterais decorrentes dos procedimentos. “Por exemplo, se constatado que 50% dos enfermos têm náuseas, os profissionais precisam de estratégias para evitar esse mal”, esclarece.

“Não se trata da substituição do homem. Um robô não sabe olhar nos olhos e compreender necessidades do enfermo” (Diógenes 
de Oliveira Silva, anestesiologisa)

Precisão

Presidente da Associação Brasileira da Indústria de Alta Tecnologia de Produtos para Saúde (Abimed), Carlos Alberto Goulart destaca a modernização no setor. “O médico conversa com o paciente e entende os problemas na essência, enquanto a máquina faz um laudo preciso e instantâneo”, frisa.

Maior precisão também é destacada no uso de robôs em cirurgias complexas. No Brasil há pouco mais de uma década, as máquinas possibilitam retirar tumores e ajudar em uma recuperação mais rápida, observa Daniel Bonomi, professor de Cirurgia de Tórax da Faculdade de Medicina da UFMG.

Na Expo-Hospital Brasil, ele vai abordar a robótica no tratamento dos cânceres que afetam a região do pulmão. “A tecnologia proporciona uma visão tridimensional do tumor e do órgão afetado, através de quatro incisões de oito milímetros no tórax”, explica.

Submetida a um procedimento do tipo no início deste mês, a aposentada Ângela Maria Teixeira, de 73 anos, destaca os benefícios. “Recebi alta em cinco dias”, conta.

Em uma operação convencional, a idosa sofreria cortes extensos, a recuperação seria mais dolorosa e com maior chance de infecções e outras complicações. “Não tive sangramentos, dor ou qualquer problema durante e após a intervenção”, acrescenta Ângela.

Realidade Virtual

A cirurgia plástica também é beneficiada pela tecnologia. Com a realidade virtual, tão conhecida no mundo dos games, é possível mostrar o provável resultado de um procedimento estético. “Consigo escanear imagens do paciente em 3D e estudar melhor as possíveis intervenções a serem feitas”, diz Mariana Sisto Alessi, especialista em anomalias craniofaciais do Hospital da Baleia, em Belo Horizonte. A médica é uma das palestrantes da feira Expo-Hospital Brasil.

A profissional ainda destaca que a tecnologia também está na impressora tridimensional, na utilização de células-tronco, nos medicamentos e em materiais sintéticos de implantes, que “estão cada vez mais compatíveis com o corpo humano e em simetria com o natural”.

Mais informações
Feira Expo-Hospital Brasil
Data: 11 a 13 de setembro
Local: Serraria Souza Pinto (Avenida Assis Chateaubriand, 809 – Centro)
Site: expohospitalbrasil.com.br 

Leia Mais:

Robô eleva adesão a cirurgia de próstata

Era do robô cirurgião: tecnologia beneficia pacientes com câncer de próstata

Hospital de BH realiza primeiro transplante de órgão utilizando robô em Minas