Uma forte chuva provocou vários estragos e pontos de inundação em Uberaba, no Triângulo Mineiro, na tarde desta quinta-feira (18). A tempestade é considerada a mais intensa em todo ano. Segundo a Coordenadoria Municipal de Defesa Civil (Comdec), em apenas 50 minutos foram 80 milímetros de precipitação, o equivalente a 26% do esperado para todo o mês.
 
Cerca de 20 árvores e um muro caíram na cidade e uma avenida recém recapeada teve o asfalto destruído. Além disso, várias casas foram invadidas pela água. Não há registro até o momento de mortos, feridos ou imóveis que tiveram a estrutura comprometida. Os ventos durante a chuva chegaram a 54 km/h.
 
Em função da tempestade, o prefeito Paulo Piau chegou a convocar uma reunião de emergência para avaliar os danos. Funcionários da prefeitura foram acionados para fazer a limpeza dos pontos atingidos.
 
O chefe da Comdec em Uberaba, Evaldo Fatuineli, pediu conscientização da população para não jogar lixo em vias públicas. “Tivemos problema destes rejeitos bloquearem os bueiros e intensificar as enchentes”, afirmou.
 
Estragos
 
As chuvas já deixaram quase 3 mil pessoas desalojadas e causaram muitos estragos em Minas Gerais. Segundo a Coordenadoria de Estado de Defesa Civil (Cedec), são dez as cidades afetadas no Estado.
 
O balanço diário da Cedec mostra que, desde outubro, os municípios de Carangola, Rio Piracicaba, Sabará e Franciscópolis foram os que, até agora, tiveram o estado de situação de emergência reconhecido. Eles foram atingidos por chuvas intensas e também granizo.
 
Outras cinco cidades também declararam prejuízos em função de tempestades, sendo Santo Antônio do Monte, Barra Longa, Itajubá, Lavras, Icaraí de Minas e Nova Módica, mas não declararam situação de emergência.
 
Até agora, 2.955 pessoas foram desalojadas e outras 40 ficaram desabrigadas pelas chuvas. Além disso, 355 casas em Minas foram danificadas, sete destruídas e outras nove obras de infraestrutura, como pontes, por exemplo, também foram avariadas ou perdidas.
 
Segundo a Cedec, neste período chuvoso, quatro pessoas ficaram feridas e duas morreram em função de tempestades. O primeiro óbito foi registrado em 20 de outubro, quando Willian Carvalho, de 44 anos, foi atingido por um raio na zona rural de Santo Antônio do Monte. A segunda vítima fatal foi uma criança de 2 anos. Ivan Kenedy Teixeira de Jesus morreu afogado quando o carro onde estava com a família foi arrastado quando atravessada uma ponte na MGT-161, em Icaraí de Minas, em 1º de dezembro.
 
Viçosa
 
Cinco novos pluviômetros foram instalados em Viçosa, na Zona da Mata, nesta quinta-feira. Os aparelhos foram adquiridos pela Defesa Civil em abril deste ano, através do projeto "Pluviômetros nas Comunidades", do Centro Nacional de Monitoramento e Alerta de Desastres Naturais (CEMADEM).
 
Os equipamentos foram instalados nos bairros Nova Viçosa, Cachoeira de Santa Cruz, Paraíso, Laranjal e Centro. O Chefe do Departamento de Defesa Civil, Rodrigo Cardoso, disse que a partir de agora será possível monitorar as chuvas com maior precisão, fortalecendo as ações de prevenção de desastres naturais e agilizando a resposta.