Mozart, Beethoven, Vivaldi... Os grandes mestres da música clássica também agradam aos ouvidos dos pets. Por meio da musicoterapia, eles relaxam, aliviam o estresse e se relacionam melhor com os donos e outros animais.

Especialistas afirmam que o ato de colocar músicas para os animais domésticos, ou até para grandes criações, é capaz de promover o bem-estar dos bichos. Segundo a médica veterinária Izabela Gomes, as ondas sonoras estimulam o cérebro, que libera hormônios responsáveis pela sensação de prazer e relaxamento, como a serotonina.

“A música tem a capacidade de estimular os batimentos cardíacos, que acompanham o ritmo. Dessa forma, é bom que os sons sejam mais lentos”, explica Izabela.

Nada de colocar um heavy metal no som do carro a caminho da consulta com um veterinário, principalmente no caso dos cães, pois a audição é o segundo sentido mais aguçado deles (depois do olfato), e música alta pode ser bastante incômoda.

Benefícios

Izabela Gomes orienta os donos dos pets a colocar as músicas terapêuticas durante viagens de carro ou se forem deixar o animal sozinho em casa, situações que provocam ansiedade. “O ideal é que seja um hábito frequente, mas os efeitos da vibração são sentidos imediatamente”, afirma.

Na clínica Animalle Mundo Pet, em Belo Horizonte, Izabela coloca músicas instrumentais entre 18 e 20h, período em que os donos vão buscar os bichos na creche.

A york shire Kisha, de 1 ano, é uma das que relaxa antes de a dona, a empresária Kenia Franco Formigli, de 38 anos, buscá-la. Quando ela se atrasa do trabalho e Kisha fica eufórica, Kenia aguarda que a cachorrinha se acalme, ao som de música clássica.

Em casa, o pais da empresária, os aposentados Rômulo Formigli Alves e Ana Maria Franco Alves, ambos de 68 anos, costumam ouvir um bom bolero com a Kisha, que também se diverte com as músicas. “Kisha é bem eclética e todos nós curtimos o som”, observa Kenia.