O terceiro integrante do grupo que matou o diretor comercial da cooperativa de Governador Valadares, no Leste do Estado, Luciano Breguês Rocha, está preso. O crime aconteceu em 2006 e ganhou repercussão por causa dos requintes de crueldade. Roney Lopes dos Santos, de 28 anos, foi localizado em Coaci, no Estado da Bahia, e confessou o assassinato cometido com a participação de outras duas adolescentes que já cumpriram medidas socioeducativas.
 
O diretor foi executado no dia 26 de setembro. Antes, porém, foi brutalmente violentado, teve varias perfurações provocadas por canivete em seu pescoço e para acelerar a morte, os autores asfixiaram a vitima com uma sacola plástica amarrando-a com uma mangueira de chuveiro. Depois disso, de acordo com a delegada Regional Luzinete Maria de Sá, eles roubaram vários pertences de Rocha.
 
“Está provado que foi um crime premeditado. A intenção era matar para roubar”, explicou. Segundo a delegada, Santos que na época tinha 18 anos; e as duas adolescentes foram ao apartamento naquela noite para uma “festinha”. Como já conheciam a residência por causa de visitas anteriores combinaram o roubo. O diretor estava distraído no sofá quando recebeu o primeiro golpe no órgão genital.
 
A intenção era desovar o corpo em outra cidade, mas como não havia espaço para os objetos roubados e o corpo no porta-malas do Astra do diretor, resolveram levar apenas as mercadorias,  avaliadas em R$ 37 mil. O Astra foi abandonado e recuperado logo depois. Ao ser apresentado à imprensa nesta quinta-feira (27) em Valadares, Santos alegou legítima defesa. “Era eu ou ele. Quero saber quem vai chamar um advogado pra mim", disse.