O tremor de terra sentido por moradores em Congonhas, na região Central de Minas, nesse domingo (15), foi provocado por um terremoto de baixa intensidade e sem relação com algum problema na barragem Casa de Pedra, da Companhia Siderúrgica Nacional (CSN), instalada na cidade.

De acordo com a Coordenadoria Estadual de Defesa Civil (Cedec), moradores de diversos locais do município acionaram o órgão e relataram tremor e um estrondo na noite desse domingo. A Defesa Civil municipal realizou vistorias, mas não detectou anormalidades. A Polícia Militar e o Corpo de Bombeiros também receberam chamados, mas não houve registros de danos ou vítimas. 

Durante a ocorrência do sismo, moradores da cidade relataram tremores em janelas e lustres de residências. Havia o receio de que o estrondo causado pelo terremoto fosse reflexo de rompimento da barragem da CSN. No entanto, a empresa explicou que não detectou nenhum tremor de terra nas imediações da mineradora.

Em nota, a Cedec confirmou que a origem do terremoto foi nas proximidades do distrito de Alto Maranhão, a cerca de 7,8 km da cidade de Congonhas, e que o sismo foi considerado de baixa intensidade, com 2.1 pontos na Richter, escala que mede a força do abalo conforme a manifestação dele na superfície terrestre. O índice vai até 10.

"A intensidade como a percebida nesta ocasião em Congonhas é considerada pequena, com impacto semelhante à passagem de um veículo grande e pesado, e raramente causa danos", informou a Defesa Civil estadual, em nota. O sismo foi detectado pelo Observatório Sismológico de Brasília (SIS/UnB), com início às 22h19 desse domingo.

A CSN reforçou ainda que mantêm-se inalterados todos os instrumentos de monitoramento da barragem, bem como mantidas estáveis as condições de segurança. Mesmo assim, a Defesa Civil Estadual e os demais órgãos de segurança pública permanecem realizando monitoramento na cidade.

Entre eles, a Prefeitura de Congonhas declarou que reforçou o patrulhamento e a vistoria no local nesta segunda-feira, com o objetivo de "seguir acompanhando de perto quaisquer procedimentos e possíveis novos tremores". A administração municipal também informou que aguarda um relatório técnico das mineradoras que atuam na cidade sobre os impactos do incidente.

Leia mais:
Carro pega fogo na avenida Antônio Carlos, em BH; veja o vídeo
A consultoria kPMG abre 357 vagas na área de auditoria em Belo Horizonte e em outros estados;confira
Deteriorada pelo tempo, pintura gigante em prédio do Centro de BH começa a ser recuperada