A Justiça mineira decidiu anular a decisão de um júri em Uberaba, no Triângulo Mineiro, que absolveu um homem acusado de matar a amante, que estava grávida. O crime teria sido cometido com a ajuda da companheira dele.

A 7ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) anulou a decisão após o Ministério Público ter recorrido em segunda instância. Para os promotores, havia provas de que o acusado é culpado do homicídio. Para o Tribunal do Júri, apenas a ocultação de cadáver foi comprovada.

De acordo com a denúncia, o homem se envolveu com a vítima, engravidando-a. Em setembro de 2017, teria havido uma discussão entre o réu, a esposa e a amante. Neste momento, o investigado teria esfaqueado a amante, que depois ainda foi enforcada pela mulher dele.

Após isso, a dupla teria colocado a vítima dentro de um saco plástico para depois enterrá-la em uma cova cavada no quintal da própria casa. O corpo da vítima só foi descoberto nove meses depois, quando a Polícia Civil recebeu uma denúncia anônima.

Para o relator, desembargador Agostinho Gomes de Azevedo, os jurados votaram no sentido contrário às provas e outro julgamento deve ser marcado. “Se a decisão proferida pelo Conselho de Sentença se apresenta inidônea, manifestamente contrária à prova dos autos, deve o acusado ser submetido a novo julgamento”, decidiu.