A aplicação da terceira dose da vacina contra a Covid deve começar a partir da segunda quinzena de setembro em Minas, segundo o secretário de Estado de Saúde, Fábio Baccheretti. O reforço foi autorizado na quarta-feira (25) pelo Ministério da Saúde.

Diante da recomendação, dúvidas começam a surgir sobre qual imunizante as pessoas irão tomar. Pesquisadores têm comprovado que a terceira dose fortalece as defesas do organismo, desde que usadas vacinas de laboratórios distintos. 

No caso dos idosos - maioria vacinada com a CoronaVac - o reforço deve ser aplicado, preferencialmente, com a Pfizer. Porém, na falta do imunizante, também poderão ser usadas Janssen e AstraZeneca.

Vale lembrar que os imunizantes da farmacêutica Johnson & Johnson e os desenvolvidos pela Universidade de Oxford têm tecnologias semelhantes. Por isso, quem recebeu a AstraZeneca ou Janssen só pode tomar CoronaVac ou Pfizer na terceira dose.
 
Já os contemplados com a Pfizer podem ser vacinados com qualquer vacina.

Por que uma 3ª dose?

Todas as pessoas devem receber o reforço. Inicialmente, serão priorizados os idosos e portadores de doenças autoimunes, ou seja, aqueles que apresentam alguma deficiência no sistema imunológico - mais vulneráveis.

“A nossa maior preocupação é com o idoso, porque a resposta imunológica é mais baixa em relação à vacina, e já tem seis meses que tomaram a CoronaVac”, explicou Fábio Baccheretti.

Apesar dessa necessidade, o titular da pasta estadual garantiu que todos os imunizantes são eficazes contra o coronavírus, inclusive para barrar a variante Delta, em ascensão em Minas.

Leia mais:

Cidades que concluíram vacinação de adultos podem imunizar adolescentes e aplicar 3ª dose em idosos
Variante Delta da Covid já é a cepa mais comum nos estudos genômicos feitos em Minas, diz secretário