Três pessoas foram presas na manhã desta terça-feira (7) suspeitas de comercialização de produtos falsificados no Sul de Minas. Uma operação, denominada “Marketplace”, cumpriu mandados de prisão preventiva e de busca e apreensão nas cidades de Pouso Alegre e Heliodora. Os indícios, até o momento, indicam um faturamento mensal de cerca de R$ 50 mil, gerando ganhos financeiros estimados em R$ 1,8 milhão desde o fim de 2018.

A ação foi realizada pelo Ministério Público de Minas Gerais (MPMG), por meio da 1ª Promotoria de Justiça de Santa Rita do Sapucaí e do Gaeco, da Polícia Militar, da Polícia Rodoviária Federal e da Receita Estadual. 

De acordo com as investigações, que foram iniciadas em março deste ano, dois irmãos, auxiliados por parentes e pessoas próximas, realizavam a venda online de mercadorias falsas por meio dos chamados marketplaces - plataformas na internet que concentram grande número de vendedores. Os produtos eram anunciados como originais.  

Nos anúncios, haviam produtos como fones de ouvido, relógios e carregadores de telefone com preços ligeiramente inferiores aos dos produtos autênticos. Somente após a entrega é que os consumidores percebiam que as mercadorias eram falsificadas.

O Ministério Público também informou que os investigados violavam a propriedade intelectual dos detentores das patentes e praticavam fraude fiscal, “notadamente com a abertura de dezenas de empresas e de contas bancárias para pulverizar as atividades comerciais ilícitas do grupo”. 

Leia mais:
Dois motociclistas morrem em batidas nesta terça-feira na Grande BH
Polícia Federal investiga superfaturamento em licitação do Inep
Vizinho diz que prédio maior caiu em imóvel onde estavam vítimas de desabamento em BH