O Ministério Público de Minas Gerais (MPMG) conseguiu a condenação de três vereadores de Frutal, no Triângulo Mineiro, envolvidos na compra e na venda de apoio político para a eleição da mesa diretora, em 2014.

A denúncia foi oferecida em 2016, pela promotora de Justiça Maria Constância Martins da Costa, que resultou na condenação, em primeira instância. O juiz Gustavo Moreira, que proferiu a sentença, condenou dois dos vereadores a três anos e seis meses de prisão em regime semiaberto, e um terceiro a três anos e um mês de prisão em regime aberto. 

Segundo a denúncia, duas chapas disputavam os votos na eleição para o cargo de presidente da Câmara. Em julho de 2014, nove vereadores da casa assinaram documento declarando fidelidade na composição de uma chapa, mas três deles se aliaram à uma chapa adversária.

Cada vereador teria recebido R$ 60 mil, além da promessa, a dois deles, de cargos de primeiro e de segundo secretários. Um dos vereadores morreu durante o processo e não foi punido.

Os demais vão recorrer em liberdade.

A reportagem do Hoje em Dia entrou em contato com a Câmara da cidade mas ainda não teve retorno.