A preocupação com a falta de segurança nas unidades de saúde de Belo Horizonte levou dezenas de funcionários do município a se reunirem, na tarde desta quinta-feira (25), em frente à Secretaria de Saúde para exigir melhorias nas condições de trabalho.

A principal reivindicação dos manifestantes foi a volta dos porteiros e dos guardas municipais para os centros de saúde. 

De acordo com a diretora da área de saúde do Sindicato dos Servidores Municipais de Saúde de Belo Horizonte (Sindibel), Ângela de Assis, os porteiros foram retirados de 152 unidades em toda cidade. A medida teria gerado, só nos últimos dois meses, cerca de 40 ocorrências incluindo furtos, roubos e até assaltos à mão armada. 

O secretário municipal de saúde, Jackson Pinto, alegou que o problema já foi repassado ao prefeito Alexandre Kalil e depende exclusivamente da decisão dele.

"A segurança ao redor dos postos de saúde não compete à nossa secretaria. Vivemos um momento de grande dificuldade financeira e não há recursos para contratarmos novos funcionários para a segurança nesse momento", explicou.

Leia mais:
Pelo menos dez postos de saúde estão fechados em protesto contra a violência em BH
Grupos contrários à vacinação ganham a internet, mas discussão gera polêmica