A Feira "Ciência Viva", promovida há 23 anos pela Universidade Federal de Uberlândia (UFU), deixou de contar com apresentação de projetos das escolas municipais neste ano. Nas redes sociais, moradores da cidade indicam que a ausência teria sido uma orientação da prefeitura da cidade por conta de alguns trabalhos que levam o termo "gênero" no nome, como os projetos intitulados "Desigualdade de Gênero" e "Discussão de Gênero: Desnaturalizando a Desiguladade de Gênero Dentro das Escolas". O tema da edição deste ano, que aconteceu na segunda (12) e terça-feiras (13) no campus Santa Mônica é "Ciência para a redução das desiguladades".

De acordo com a assessoria da UFU, foram inscritos 141 projetos dos quais 100 foram aprovados, sendo que 35 foram feitos por grupos de escolas municipais. Como forma de protesto, nove desses grupos compareceram à feira nesta terça, apesar da orientação contrária.

Por meio de nota, a UFU ainda informou que está aberta à apresentação dos trabalhos selecionados da rede municipal "a qualquer tempo" e que também "está aberta ao diálogo e reafirma seu compromisso constitucional, no Art. 206: liberdade de aprender, de ensinar e divulgar o pensamento, a arte e o saber".

A direção de uma das escolas municipais selecionadas para apresentar o seu projeto, que trata da discussão de gênero, confirmou que a decisão de não participar do evento não partiu da instituição, mas sim de uma orientação da prefeitura, com a justificativa de que alguns vereadores da cidade não concordaram com o tema do evento e a abordagem dos trabalhos.

Ainda conforme a UFU, os critérios para a seleção dos projetos por meio de especialistas são a relevância do trabalho, a abordagem pedagógica e a adequação do tema aos níveis educacionais de cada faixa etária. A feira é realizada anualmente pela universidade em parceria com as escolas de Educação Básica de Uberlândia e região . "Estiveram presentes todos os segmentos das escolas parceiras, exceto da rede municipal, que não justificou – oficialmente – a ausência durante os dois dias de evento", informou ainda a instituição.

Procurada pela reportagem, a Prefeitura de Uberlândia não se manifestou ou emitiu seu posicionamento em relação ao ocorrido.