A tragédia em Brumadinho, considerada pela Organização Internacional do Trabalho (OIT) como o pior desastre mundial em uma barragem na última década, completa cinco meses nesta terça-feira (25). Cento e cinquenta e dois dias após o rompimento da barragem Mina Córrego do Feijão, 24 pessoas continuam desaparecidas debaixo da lama já endurecida. Até o momento, de acordo com a Defesa Civil, a tragédia deixou 246 mortos.

As buscas no município mineiro atingido pela catástrofe prosseguem sem prazo para encerrar. Diariamente, aproximadamente 150 militares do Corpo de Bombeiros atuam em Brumadinho à procura dos desaparecidos. O trabalho, geralmente, dura cerca de 18 horas e são utilizadas 100 máquinas pesadas e cães farejadores. Os militares se revezam em até 20 frentes de trabalho. 

Em Brumadinho, a taxa de localização é de 91%. Em Nova Iorque, quando houve o atentado no Word Trade Center, em 2001, somente 60% dos corpos foram encontrados. E lá, a área corresponde a 10% da de Brumadinho e os escombros representam 1/4 do volume de lama que vazou da barragem da Vale.

Confira abaixo fotos do trabalho feito em Brumadinho.