Anyky Lima tinha 12 anos quando foi expulsa de casa, no Rio de Janeiro, por não se adequar aos padrões de gênero esperados pela família. Precisou trocar de endereço algumas vezes, até fixar residência na capital mineira. Em BH, viu muitas pessoas transexuais e travestis morrerem por puro preconceito. Hoje, aos 63, se considera uma sobrevivente diante das estatísticas. 

No Brasil, a expectativa de vida para essa população é de 35 anos, de acordo com a Aliança Nacional LGBTI. Para mostrar resistência às dificuldades do dia a dia, acontece neste domingo mais uma edição da Parada do Orgulho LGBT, na Praça da Estação, no hipercentro da metrópole.

Ativista da diversidade sexual, Anyky conta que não são raras as agressões de diversas formas. Facadas e pedradas são situações presenciadas por ela. Além disso, a falta de oportunidades no mercado de trabalho leva muitas travestis e transexuais a recorrerem à prostituição para garantir a sobrevivência. 

“Principalmente as que são expulsas de casa. Sentem a hostilidade na pele”, afirma a “Tia Anyky”, como é conhecida pelas pessoas que orienta sobre os cuidados de saúde e de segurança.

trans
Desde criança, Lorena Maria se reconhecia como mulher e, por conta disso, foi expulsa de casa aos 8 anos

“Se virar”
Vaidosa, Lorena Maria de Paiva, de 55 anos, desde criança se reconhecia como mulher. Mas sem a aceitação da família, foi obrigada a sair de casa aos 8 e, na rua, aprendeu a se virar. Com os trocados que conseguia nas avenidas de BH, comprou hormônios, na época vendidos sem prescrição médica, para criar o corpo de uma adolescente. “Em seis meses apareceu peito”, relembra.

Sem alternativas de emprego, encontrou na prostituição o meio para ter comida. “Era como uma selva. Algumas pessoas tentavam nos agredir e matar, mas respondíamos com violência, infelizmente”, comenta Lorena, que decidiu, em 1992, passar uma temporada na Europa, onde ficou por pouco mais de duas décadas.

Mais uma edição da Parada do Orgulho LGBT será realizada neste domingo em Belo Horizonte; os desfiles dos trios elétricos começam às 11h, na Praça da Estação

Lorena retornou ao Brasil em 2014 e afirma ter se assustado com a realidade encontrada. “Por que existe esse desejo em nos matar? Digo sempre que precisamos resistir, mostrar a cara e, na paz, mudar essa situação”, complementa.

Suporte
Campanhas de conscientização sobre respeito, fomento de espaços de trabalho e acompanhamento na área de saúde são essenciais para que trans e travestis tenham maior expectativa de vida, afirma a antropóloga Lorena Oliveira, que já integrou o Núcleo de Direitos Humanos e Cidadania LGBT (NUH) da UFMG.

Segundo ela, as agressões físicas, verbais e psicológicas sofridas por esse público somadas a problemas relacionados ao sistema de saúde explicam a falta de perspectivas. “Antes, muitas pessoas não buscavam atendimento em um hospital, por exemplo, porque não havia o respeito ao nome social do paciente. Tivemos uma melhora nos últimos anos, mas ainda há muito o que ser feito. Não dá para falar em velhice sem pensar na infância e na juventude”, pondera Lorena Oliveira.

Cirurgias e hormônios

A redesignação (cirurgias de readequação) e o tratamento com hormônios não são cruciais para haver identificação com o próprio corpo. Para quem busca essa alternativa, porém, o processo pode ser iniciado a qualquer momento.

É o caso do educador físico e funcionário público Ravi Soares, de 50 anos, que há nove meses iniciou a transição. “Foi quando ficou insuportável arrastar um corpo com o qual não me identificava”.

A primeira mudança foi no padrão de voz. Depois, aumento dos pelos e alterações na estrutura do corpo. “Ficará mais parecido com a forma e as atitudes com as quais eu me percebo. A confiança também aumenta”, relata. 

A cirurgia mais esperada é a mamoplastia (retirada dos seios). “É muito incômodo usar faixas para disfarçá-los”, diz. 

A experiência será compartilhada, garante Ravi. “A hormonização me deu a certeza de que estou no caminho certo. Por isso, ajudo homens trans a escreverem as próprias histórias mais cedo”.

Especialista em Sexualidade Humana pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP), a psicóloga Enylda Motta explica que a história da pessoa trans, se está inserida em um contexto opressor, por exemplo, faz com que ela camufle a expressão da sua identidade. “A revelação só ocorre a partir da conquista do seu próprio espaço”, observa.

trans
O educador físico Ravi Soares iniciou a transição há nove meses