A greve dos transportadores de combustível em Minas Gerais foi encerrada na noite dessa sexta-feira (8), após reunião entre as distribuidoras, o governo do Estado e representantes do Sindicato dos Transportadores de Combustível e Derivados do Petróleo de Minas Gerais (Sindtanque). Os "tanqueiros" retomaram a distribuição na manhã deste sábado (9), mas ainda falta combustível em postos de Belo Horizonte.  

De acordo com o Sindicato do Comércio Varejista de Derivados de Petróleo no Estado de Minas Gerais (Minaspetro), a situação ainda é delicada, pois há muito postos desabastecidos e poucas distribuidoras em funcionamento, o que estaria causando grandes filas para o carregamento. A entidade prevê que o abastecimento seja normalizado na capital em até quatro dias úteis.

Segundo o Minaspetro, a operação dos postos também está tumultuada, por isso é importante evitar a chamada "corrida aos postos". No posto Ipiranga localizado na esquina das avenidas Amazonas e Francisco Sá, no bairro Prado, houve um carregamento de 5 mil litros de combustível no início deste sábado. Segundo funcionários, a procura é alta e a gasolina, com preço de R$ 3,99/litro, deve acabar ainda de manhã. Já no posto Shell da rua Major Delfino de Paula, no São Francisco, a operação não foi afetada e o abastecimento segue normalizado, com gasolina a R$ 4,269/litro.

Em protesto contra a alta carga de impostos sobre os combustíveis, responsável pelo alto custo do transporte de carga no Brasil, paralisação começou nessa quarta-feira (7), com adesão total dos caminhões-tanque no Estado. A greve chegou a gerar risco de desabastecimento total no Estado. Segundo o Minaspetro, postos chegaram a comprar combustível de cidades distantes, como Paulínea (SP), a 600 KM de Belo Horizonte, o que teria disparado os preços nas bombas.  

Aumento

Em meio ao cenário delicado, a Petrobras anunciou um novo reajuste para os combustíveis, com aumento de 1,30% no preço da gasolina nas refinarias e alta de 3,60% no do diesel. Os novos valores já começaram a valera a partir deste sábado. Segundo a estatal, a revisão nos valores faz frente à concorrência de importadores. Na decisão, pesam, também, as informações sobre o câmbio e as cotações internacionais.