Uma vacina dupla, capaz de combater a Covid-19 e a tuberculose, está em desenvolvimento na UFMG. A instituição, que tem outros projetos de criação de vacina, informou nessa sexta-feira (3) que a iniciativa é a única, entre as 140 estudadas no mundo e listadas pela Organização Mundial de Saúde (OMS), baseada na popular vacina BCG. 

"A vacina da BCG é obtida com o atenuamento de uma das bactérias causadoras da tuberculose. Essa bactéria possui um efeito adjuvante em nosso organismo, sendo capaz de ativar o sistema imunológico e potencializar a resposta imunológica para outras patologias", explicou o professor Sérgio Costa, coordenador do estudo.

De acordo com o especialista, o objetivo da pesquisa é fazer com que essa bactéria possa produzir proteínas importantes do vírus causador da Covid-19 e imunizar o paciente contra as duas doenças. O estudo é feito no Instituto de Ciência Biológicas da UFMG, e envolve também a Universidade Federal de Santa Catarina, o Instituto Butantã, em São Paulo, e Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia de Doenças Tropicais.

Fase inicial

Conforme Costa, a pesquisa está em fase inicial e a produção do medicamento ainda deve atravessar algumas etapas. A expectativa é conseguir finalizar os experimentos pré-clínicos ainda neste ano, para que em 2021 possa ter início de testes em humanos.

"No momento, estamos finalizando a fase da construção da bactéria que expressa os antígenos do novo coronavírus. Então, entraremos no estágio de estudos pré-clínicos, para testar se conseguimos realizar a imunização em animais. Só depois, quando se comprovar que a vacina possa ser efetiva, vamos buscar por parceiros privados interessados em investir para escalonar esse processo e assim chegar a testes clínicos com pacientes", explicou. 

O pesquisador critica a falta de investimentos no setor. "A UFMG é uma instituição de referência na área, mas apesar de termos as ideias e a tecnologia para fazer acontecer, a falta de investimento financeiro prejudica muito a velocidade com que nós conseguimos entregar resultados para a população, em casos como este", disse.

Vantagens da vacina dupla

De acordo com o estudo, a capacidade da bactéria presente na vacina BCG potencializar as respostas do sistema imune humano foi o primeiro dos motivos para o início do trabalho. Além dele, há o fato de que a vacina é utilizada há décadas em diversos países, sem registros de reações adversas; e o preço, já que é considerada uma vacina barata.

Outras iniciativas

A vacina dupla é só uma das vacinas desenvolvidas pela UFMG. Uma das outras iniciativas, coordenada pelo professor Ricardo Gazzinelli, utiliza o vírus Influenza atenuado como plataforma para introduzir antígenos do novo coronavírus. 

Além disso, o ICB vai participar de testes clínicos da vacina contra o novo coronavírus desenvolvida pela empresa biofarmacêutica chinesa Sinovac Biotech. Os testes serão feitos em colaboração com o Instituto Butantan, de São Paulo, e envolvem, ao todo, doze centros de pesquisas brasileiros. A previsão é que os trabalhos comecem ainda neste mês.

Leia também:
Pandemia faz setor de turismo perder R$ 5 bi e demitir 70 mil em Minas
Conheça as cidades mineiras que não tiveram casos registrados de coronavírus
Bancos ainda estudam oferta de crédito garantido por saque-aniversário do FGTS