A Região Metropolitana de Belo Horizonte (RMBH)está prestes a ganhar duas novas Unidades de Conservação (UC). Os Refúgios de Vida Silvestre Estaduais Cauaia e Serra das Aroeiras serão criados em Matozinhos e Pedro Leopoldo, respectivamente. Os projetos que instituem as áreas, inseridas em propriedades particulares, estão em fase de consulta pública. As reservas se unirão a outras sete já criadas como parte do Sistema de Áreas Protegidas do Vetor Norte da RMBH (SAP Vetor Norte).

A área criada, uma das medidas do Plano de Governança Ambiental e Urbanística da RMBH, foi elaborada, em 2010, como condicionante, diante dos impactos previstos na implantação e operação de grandes empreendimentos públicos na região.

“O Estado tem como medida compensatória a criação e implantação de um sistema de áreas protegidas, inclusive com corredores ecológicos na área em questão. Definido por decreto, engloba vários municípios do entorno de BH”, detalha a gestora do SAP Vetor Norte, Patrícia Reis.

Os Refúgios, uma das cinco categorias de UC de proteção integral, são ambientes naturais por meio dos quais são asseguradas condições especiais à existência e reprodução de espécies e comunidades de flora e fauna residente ou migratória.

Tanto na Serra das Aroeiras, quanto no Cauaia, o bioma predominante é o Cerrado, com matas, formações de brejos, campestres, caatinga arbustiva e campos rupestres. A fauna das duas áreas, também bastante diversificada, inclui animais em extinção como o lobo-guará e a onça-parda, em Cauaia; e aves como araçari, araponga e jaó-do-sul, na Serra das Aroeiras.

A presidente da Associação Comunitária de Mocambeiro, distrito de Matozinhos, comemora a criação do refúgio de Cauaia. “É uma maneira prosseguirmos com a preservação do meio ambiente, nossa maior riqueza”, avalia.

Das 15 UC previstas para o Vetor Norte, sete já foram criadas. Os municípios que abrangem a área são Baldim, Capim Branco, Confins, Jaboticatubas, Lagoa Santa, Matozinhos, Pedro Leopoldo, Ribeirão das Neves, Santa Luzia, São José da Lapa, Taquaraçu de Minas, Vespasiano e Nova União.

A criação das unidades é feita em três fases: apontamento de áreas propícias pelo Instituto Estadual de Florestas (IEF), elaboração de estudo técnico justificativo, consulta pública e decreto de criação.