Dezenove universidades que integram o Fórum das Instituições de Ensino Superior Públicas (Foripes) enviaram uma carta ao governador Romeu Zema, nesta terça-feira (4), solicitando a recomposição dos recursos da Fundação de Apoio à Pesquisa de Minas Gerais (Fapemig), que sofreu cortes nos últimos anos. Uma lei estadual estabelece que a verba para o amparo à produção científica deve ser de 1% dos recursos tributários do Estado.

“É imprescindível que a Fapemig seja fortalecida como parte central da construção das soluções, pois representa uma contrapartida de recursos estaduais, mantendo o funcionamento de grupos de pesquisa nas mais diversas regiões de Minas Gerais”, diz a carta, assinada pelo reitor da Universidade Federal de Uberlândia (UFU), Valder Steffen Jr. A íntegra do documento pode ser conferida aqui

O texto relembra que as instituições em Minas (Estado com maior número de universidades e institutos de educação pública superior no país) têm tido papel fundamental no enfrentamento à pandemia de Covid-19. “Nossas universidades e institutos têm sido protagonistas com muitas frentes, como, por exemplo, no atendimento em nossos hospitais universitários e unidades de saúde SUS, na testagem da população, no sequenciamento genético, na produção de equipamentos de proteção individual, no estudo de vacinas e de medicamentos, em atividades de ação social a pessoas vulneráveis”.

O Foripes é formado pelas universidades federais mineiras (como UFMG, Ufop, UFV, UFJF e UFLA), pelo Cefet-MG e pelas universidades estaduais (UEMG e Unimontes).

Procurado pela reportagem, o Governo de Minas informou que, mesmo diante da grave crise econômica, agravada pela propagação da Covid-19 em Minas, a Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico (SEE) conseguiu garantir mais de R$ 2 milhões à Fapemig, para sete projetos, em julho deste ano. 

"A Sede considera a importância do apoio à comunidade científica como forma de desenvolver o estado. Nesse sentido, a secretaria segue empenhando esforços para viabilizar recursos e ampliar os projetos de pesquisa e extensão em Minas", disse o governo por meio de nota.