Uma ex-aluna da Universidade Federal de Uberlândia (UFU) foi condenada a um ano de reclusão nesta quarta-feira (19) por pagar outra pessoa para realizar uma prova em seu lugar. O crime aconteceu en 2012, quando ela era aluna do curso de Gestão de Informação na instituição. O Ministério Público Federal em Minas Gerais (MPF/MG) enquadrou o crime como falsidade ideológica, mas a defesa da garota conseguiu que a pena fosse transformada em uma multa de R$ 1 mil.

Na época, a estudante não fez a prova da disciplina no dia marcado, por isso requereu ao professor a aplicação de prova substitutiva, agendada para o dia 19 de outubro daquele ano. O teste, no entanto, foi aplicado por uma professora substituta, que era esposa do titular da disciplina.

No dia da aplicação da avaliação, a professora substituta percebeu que aluna não batia com a descrição fornecida pelo marido. Ao pedir à aluna que apresentasse a identidade no momento da entrega da prova, percebeu que havia algo errado: a foto do documento era de uma criança e ela não se parecia com a pessoa que estava fazendo a prova.

Leia mais:
Criança que passou mal com leite receberá R$ 8 mil de indenização
Vinte e um radares na MG-010 começam a multar a partir de terça-feira
Condutor é detido na avenida Cristiano Machado com sintomas de embriaguez

Posteriormente, na correção da prova, o professor, avisado por sua esposa, comparou a letra da acusada, de uma prova anterior, com a letra da prova feita pela "dublê". A grafia também não era correspondente. Em seguida, o casal de professores procurou na internet uma foto da acusada, e a professora, então, confirmou que não era a mesma pessoa que tinha feito a prova.

A UFU instaurou procedimento administrativo disciplinar para apurar os fatos e concluiu que a acusada teria colocado outra pessoa, usando sua identidade, para fazer a prova em seu lugar, e ao final aplicou uma penalidade de suspensão de três meses à estudante.

Após tomar ciência do ocorrido, o MPF/MG requereu que a Polícia Federal fizesse uma perícia grafotécnica nas provas fornecidas pela UFU e comprovou que a grafia na prova de Cálculo I era de outra pessoa, e não da acusada.

Durante o julgamento, a menina tentou negar que teria pedido a alguém que fosse fazer a prova em seu lugar, mas seus argumentos não convenceram o magistrado. "A materialidade do delito, pois, é provada pelos depoimentos das testemunhas da acusação e da própria ré, mas, sobretudo, pela perícia grafotécnica nos formulários de avaliação, inconteste a conclusão de que outra pessoa fez a prova no lugar da ré", escreveu o juiz na sentença.