Furto de equipamentos de luz e som, fiação elétrica e mobiliário, além da destruição de documentos e infraestrutura dos banheiros. Esse foi o resultado do arrombamento realizado por um grupo de vândalos na noite de domingo (8) no Teatro Kleber Junqueira, localizado no bairro Calafate. Com 500 lugares, este é o único equipamento cultural voltado para o teatro na região Oeste de Belo Horizonte.

O espaço, que ganhou o título de Patrimônio Imaterial de Belo Horizonte em 2014, estava fechado desde dezembro de 2017 por falta de recursos para manutenção. Mesmo assim, estava com toda a infraestrutura intacta de equipamentos e mobiliário.

“Só não levaram as cadeiras e o palco porque estavam fixas”, afirmou Éder Paulo, diretor administrativo e financeiro do Teatro Kleber Junqueira. Segundo ele, somente os equipamentos de som e iluminação valiam R$ 150 mil.

Além do furto, os vândalos colocaram fogo nos figurinos e documentos do escritório (como fotografias e registros de reportagens sobre o teatro) e quebraram as pias e vasos sanitários dos banheiros com extintores de incêndio.

“Existe neste momento, de forma geral, em nosso país, um ódio à cultura, uma institucionalização da barbárie. O que é paradoxal, porque o brasileiro não sabe viver sem cultura, mas não quer pagar pelo ingresso de um espetáculo nem quer que o poder público financie isso”, afirmou Cleber Junqueira, fundador do espaço.

Para que o teatro não seja fechado definitivamente, Cleber e Éder estão buscando um diálogo com as secretarias de cultura do município e do Estado.

A Fundação Municipal de Cultura informou que lamenta o ocorrido e que já se reuniu várias vezes com a equipe do Teatro Kleber Junqueira, reconhecendo a importância deste espaço cultural para Belo Horizonte. “Nesses encontros foi informado que para a concessão de qualquer tipo de financiamento e/ou apoio institucional a equipamentos culturais privados, há editais de seleção específicos, como a Lei Municipal de Incentivo à Cultura e o Fundo Municipal de Cultura”, afirmou o órgão. 

A Secretaria de Estado de Cultura e Turismo de Minas Gerais também lamentou o ocorrido na noite do último domingo neste tradicional espaço de cultura da cidade.  De acordo com a pasta, existem no Estado alguns mecanismos de apoio às instituições privadas que podem ser utilizados, tais como editais da Lei Estadual de Incentivo à Cultura e o Fundo Estadual de Cultura. Mais informações sobre prazos de inscrição de projetos podem ser obtidas no site www.cultura.mg.gov.br.

teatro kleber junqueira

Por todos os cantos, foi verificado o furto da fiação elétrica

História

O Teatro Kleber Junqueira foi criado no espaço que abrigou o Cine São José, importante cinema dos anos 1940 na capital mineira. No mesmo local, depois funcionaram uma boate, um depósito e uma igreja evangélica. Em 2004, o diretor teatral Cleber Junqueira decidiu alugar o local para montar um teatro. No momento, o valor do aluguel do espaço é de R$ 7 mil por mês.

Um dos projetos desenvolvidos no local desde 2004 foi o projeto “Teatro para Todos”, com o objetivo de levar o público que não está acostumado com as artes cênicas ao teatro. O principal público-alvo era formado por alunos de escolas públicas. De acordo com Kleber, ele investiu no projeto recursos referentes a herança e venda de apartamento e carro. "Não tenho mais de onde tirar dinheiro para manter o espaço", desabafa.