Dois prédios de Belo Horizonte foram pichados na tarde desta sexta-feira (6) com frases de protesto contra a prisão do ex-presidente Lula, decretada nessa quinta-feira (5), pelo juiz federal Sérgio Moro.

Os pichadores usaram tinta vermelha, pintando fachadas e calçadas. Um dos prédios atacados foi o da ministra do Supremo Tribunal Federal, Cármem Lúcia, no bairro Santo Agostinho, na Região Centro-Sul de Belo Horizonte. No chão, foi pintada a frase "Cármen Lúcia Golpista". As janelas do edifício também foram quebradas.

O prédio do Ministério Público de Minas Gerais, na avenida Álvares Cabral, na mesma região, foi outro alvo dos pichadores, que pintaram a frase "Moro juiz dos ricos". 

No perfil da Frente Brasil Popular, no Facebook, militantes postaram que cerca de 450 manifestantes do MST e do Levante Popular da Juventude atiraram bombas de tintas nos muros e calçadas do prédio.  "Não vamos dar descanso para toda essa corja que deturpa as leis para beneficiar interesses do capital. Assistimos essa semana que o Supremo é tão golpista quanto Temer", afirmou Miriam Muniz, da direção do MST, no post do Facebook.

O texto traz como título a seguinte frase: "Belo Horizonte escracha a casa de Cármem Lúcia".

Confira o post:

A Polícia Militar foi acionada e está no local.

Leia mais:
Delegado da PF confirma que não há mais tempo hábil para que Lula se entregue
No Ceará, 16 cidades têm atos em favor de Lula
STJ rejeita pedido de habeas corpus da defesa de Lula, informa assessoria