Os seis indiciados pela morte da jovem grávida, encontrada com a barriga aberta em Ituiutaba, no Triângulo Mineiro, vão a  juri popular, segundo decisão da Justiça, publicada na última quarta-feira (15). 

Eles vão ser julgados por homicídio quadruplamente qualificado, por motivo fútil, por meio cruel, por impossibilitar a defesa da vítima e para assegurar a execução de outro crime. Eles ainda respondem por exposição de perigo à vida da criança, por sequestro qualificado e por ocultação de cadáver.

De acordo com a decisão do juiz Marcos José Vedovotto, eles não poderão aguardar o julgamento em liberdade e devem continuar presos pela gravidade do fato e para garantir a segurança das testemunhas que irão depor no processo.

A data do julgamento ainda não foi marcada.

Relembre

A mulher grávida de nove meses foi sequestrada no dia 18 de agosto, mas o corpo só foi localizado três dias depois, por dois ciclistas que viram o corpo boiando em uma represa conhecida como Lagoa dos Paulistas. Ela estava com os pés amarrados, o corpo enrolado em arame, com a barriga aberta e sem o bebê.

Na ocasião, conforme a polícia civil informou, o crime teria sido premeditado por uma mulher de 30 anos que queria evitar o término de um relacionamento com um homem. O plano incluída o sequestro da jovem e a realização do parto dela. 

Segundo apontou a investigação, a mulher de 30 anos estava grávida, mas teria sofido um aborto e escondeu da família. Por isso planejou o crime para colocar a criança no lugar o filho que esperava.

Leia mais:
Após exame de DNA, avó consegue guarda definitiva de bebê arrancado da barriga da mãe
Polícia indicia seis por sequestrar e arrancar bebê de grávida em Ituiutaba
Inquérito sobre morte de grávida será concluído nos próximos dias; presos chegam a seis