Um vídeo de uma pesquisa de mestrado sobre a ocorrência da espécie Ischnocnema manezinho, ameaçada de extinção,  garantiu à doutoranda em Zoologia pelo Instituto de Ciências Biológicas (ICB) da UFMG Caroline Oswald um prêmio na categoria Evolução no 65º Congresso Brasileiro de Genética de 2019. 

De forma descontraída, o projeto foi apresentado no estilo "Draw My Life", em que o conteúdo do vídeo é feito por desenhos e narração. Ele concorria na modalidade apresentação oral.

 

Caroline Oswald realizou a pesquisa pela UFMG juntamente com a Universidade Federal de Santa Catarina. Ela e um grupo de alunos pretendiam avaliar se outros anfíbios habitantes da região leste de Santa Catarina e da Ilha do Arvoredo pertenciam à espécie Ischnocnema manezinho. 

A pesquisa orientada pelo professor Paulo Garcia, do Laboratório de Herpetologia do ICB, e também pelo professor Selvino Neckel, da Universidade Federal de Santa Catarina, identificou que a espécie Ischnocnema manezinho habitava somente a capital Florianopólis e que as rãs das outras regiões são de outras espécies, ainda não registradas. Durante os estudos, os cientistas usaram exames de DNA, junto com dados de morfologia e vocalização, para classificar os animais.

Além disso, o trabalho também recebeu Menção Honrosa no Prêmio Paulo Sodero Martins, destinado a alunos de pós-graduação.

Ischnocnema manezinho

A espécie Ischnocnema manezinho foi descoberta e descrita pelo professor Paulo Garcia, em 1996, a partir de uma população da Ilha de Santa Catarina, em Florianópolis. A partir do estudo, outras espécies foram encontradas em áreas de mata atlântica do Leste do Estado de Santa Catarina e até na Ilha do Arvoredo.

* Com Portal UFMG - Amanda Souza, sob supervisão de Cássia Eponine.

Leia mais:
Aberta votação para escolha do nome da gorilinha do zoológico da capital; saiba como participar
Clínica veterinária gratuita atenderá 20 animais por dia em BH; confira algumas fotos do local