Um vídeo de um segurança abordando dois meninos negros, que lanchavam na praça de alimentação do ViaShopping Barreiro, em Belo Horizonte, causou revolta e viralizou nas redes sociais. O caso ocorreu na tarde dessa quinta-feira (27). 

Uma criança e um adolescente, que carregavam pacotes de balas e salgadinhos, fizeram uma compra em uma das lanchonetes e sentaram para comer, quando foram abordados pelo segurança, que, de acordo com relatos de testemunhas, pediu para que eles não comessem no local.

Nas imagens é possível observar o segurança conversando com um deles. Um homem, de camisa azul, e algumas mulheres, clientes do shopping, aparecem em defesa dos garotos. Uma delas pede que o segurança deixe o “menino comer”. “Pode comer à vontade, ele comprou e pagou. Ninguém aceita mais esse tipo de tratamento não, rapaz. Pode deixar os meninos comerem. Não pagou? Então tem direito igual a todos. Esse povo não aprende não? Se a pessoa comprou e pagou, ela não tem direito?”, indagou. 

O caso causou revolta na página do shopping no Instagram. Pessoas fizeram comentários como “qual a diferença do dinheiro deles para o dos outros clientes?” e “desculpas para a sociedade ok, já pediram. Mas e para os meninos, vocês vão pedir?”.

Em nota, o ViaShopping Barreiro informou que repudia todo e qualquer tipo de discriminação sofrida em seus espaços, e que episódios assim não representam os valores que sustentam o estabelecimento há quase duas décadas.

Confira o texto na íntegra:

O ViaShopping Barreiro vem por meio desta repudiar todo e qualquer tipo de discriminação sofrida em seus espaços. Episódios pautados em segregação não representam os valores que sustentam o estabelecimento há quase duas décadas. Temos como premissa o acolhimento de todos; somos um ambiente plural, diverso e que propicia experiências positivas e, qualquer atitude que não corrobore com isso, será veementemente combatida. Lutaremos para que todas as pessoas usufruam do ViaShopping Barreiro com dignidade e respeito. 

Leia mais:
Homem é preso por injúria após chamar atendente de rede de fast-food de 'macaco'
Secretaria investiga empresa de segurança que atua no Carrefour
Manifestantes voltam a protestar contra o racismo em BH, após morte em Porto Alegre