Três vítimas da chuva que caiu em Belo Horizonte na quinta-feira (15), são veladas na manhã deste sábado (17). Os corpos de Cristina Pereira Matos, de 40 anos, e Sofia Pereira, de 6 anos, estão sendo velados no Cemitério Belo Vale, em Santa Luzia. O sepultamento acontece às 17h.

Mãe e filha, as duas morreram afogadas depois que o carro em que elas estavam foi arrastado até a linha férrea do metrô, na parte inferior do Shopping Estação, e ficou prensado entre outros veículos.

 A adolescente Anna Luisa Fernandes de Paiva Maria, de 16 anos foi velada no Cemitério Bosque da Esperança, na manhã deste sábado. O enterro acontece às 13h30. A jovem morreu depois de cair em um bueiro e ser arrastada pela enxurrada em Venda Nova. 

Tragédia

Três pessoas perderam a vida após serem vítimas de consequências da chuva torrencial que atingiu Belo Horizonte na quinta-feira (15). Cravado pela Defesa Civil como o dia mais chuvoso do ano na capital, o feriado de Proclamação da República terminou com uma mãe e uma filha, de 40 e 6 anos, encontradas mortas dentro do carro, que foi arrastado pela enxurrada na avenida Vilarinho, e uma adolescente desaparecida após tentar sair do carro em que estava. O corpo de Anna Luísa Fernandes, de 16 anos, só foi encontrado no início da tarde desta sexta-feira (16), a quatro quilômetros do local em que desapareceu.

Além das mortes, o funcionamento do metrô também ficou comprometido por quase 20 horas. O alagamento na avenida Vilarinho chegou à plataforma da estação, tomou ônibus e os trilhos do metrô, que ficaram sujos pelo lixo trazidos com a água. A ocorrência interrompeu o funcionamento dos trens urbanos na Vilarinho e na Estação Floramar, que só voltaram a atender os passageiros no início da tarde desta sexta-feira.

O prefeito de Belo Horizonte, Alexandre Kalil (PHS), por sua vez, anunciou na sexta-feira que apresentará um projeto de obras nos córregos do Nado e Vilarinho, em Venda Nova, para evitar alagamentos durante as chuvas e classificou o episódio como "tragédia anunciada". 

O chefe do executivo municipal ainda assumiu a responsabilidade pelas ocorrências. "A culpa é do prefeito. Estou muito triste, muito despreparado para a morte. Em caso material, a prefeitura tem estrutura, preparo, técnica, dinheiro. Isso tudo estará resolvido na segunda-feira e não me preocupa. O que me preocupa são as vidas que foram levadas", afirmou.

Leia mais:
Inundações recorrentes na Vilarinho exigem solução complexa
Defesa Civil alerta regiões Leste e Nordeste para pancadas de chuva nas próximas horas
Após tragédia provocada por temporal em BH, Zema propõe parceria entre Estado e prefeituras