O movimento nos postos de saúde de Belo Horizonte para a aplicação da segunda dose da vacina contra a Covid-19 em moradores de 18 anos foi tranquilo neste sábado (25). Os jovens recebem o reforço até às 14h. Não haverá vacinação neste domingo (26).

No Centro de Saúde Cabana, na região Oeste da capital, não havia fila por volta das 10h. Segundo Manuela Gama, no Centro de Saúde Carlos Chagas, no bairro Santa Efigênia, regional Leste, o atendimento foi rápido, com tempo de espera de cerca de 10 minutos - veja os endereços aqui.

Protegida contra o coronavírus, ela afirma que vai esperar mais 15 dias para garantir a imunidade completa antes de voltar à escola. No 3º ano do Ensino Médio, ela ainda não retornou às atividades presenciais.

Além disso, ela se disse animada com a possibilidade de poder frequentar novamente a academia e o curso de inglês. “Aliviada e sentindo muita gratidão, porque muitas pessoas não tiveram essa oportunidade”, disse.  

Veja a programação da próxima semana:

  • Segunda-feira (27): segunda dose para pessoas de 48 anos, cuja data do cartão de vacina esteja marcada para até 4 de outubro
  • Terça-feira (28): segunda dose para pessoas de 47 anos, cuja data do cartão de vacina esteja marcada para até 5 de outubro
  • Quarta-feira (29): primeira dose para adolescentes de 17 anos, completos até 30 de setembro, sem comorbidades, e dose de reforço para idosos de 77 anos, cuja segunda dose tenha completado 6 meses ou que faltem até 15 dias para completar este prazo
  • Quinta-feira (30): segunda dose para pessoas de 46 anos, cuja data do cartão de vacina esteja marcada para até 7 de outubro
  • Sexta-feira (1º): segunda dose para pessoas de 45 anos, cuja data do cartão de vacina esteja marcada para até 8 de outubro
  • Sábado (2): segunda dose para pessoas de 44 anos, cuja data do cartão de vacina esteja marcada para até 9 de outubro

*Com Maurício Vieira

Leia mais:

BH registra primeira morte por variante Delta do coronavírus; Minas tem nove óbitos
Casos da variante Delta do coronavírus aumentam mais de 70% em Minas