Apenas 23% dos mineiros de 20 a 49 anos estão protegidos contra o sarampo. A baixa cobertura vacinal obrigou as autoridades a prorrogar a campanha de imunização para barrar a doença altamente contagiosa e que pode matar.

A ação terminaria na próxima segunda-feira (31), mas, segundo o Ministério da Saúde segue agora até 31 de outubro. No Estado, a meta estadual é imunizar 95% do público prioritário.

De acordo com a Secretaria de Estado de Saúde (SES-MG), 2,1 milhões de doses foram aplicadas. Conforme a pasta, a vacinação deve ser priorizada mesmo com a pandemia de Covid-19. Porém, as pessoas devem ficar atentas para evitar o contágio do novo coronavírus.

"É muito importante que as pessoas mantenham o cartão de vacina em dia, mesmo em tempo de pandemia. Para isso, é importante que as pessoas que forem tomar a vacina mantenham os cuidados de prevenção ao coronavírus, como o uso de máscara, manter distância mínima de dois metros das outras pessoas e fazer a higienização correta das mãos", informou, em nota.

Ainda conforme a SES-MG, a vacina é a única forma de prevenção à doença. A dose, segundo o Estado, está disponível em todos os postos de saúde.

Sarampo

De acordo com o Ministério da Saúde, o sarampo é uma doença viral infecciosa grave. A transmissão ocorre quando o doente tosse, fala, espirra ou respira próximo a pessoas. Os sintomas são febre acompanhada de tosse, irritação nos olhos, nariz escorrendo ou entupido e mal-estar intenso.

"Em torno de 3 a 5 dias, podem aparecer outros sinais e sintomas, como manchas vermelhas no rosto e atrás das orelhas que, em seguida, se espalham pelo corpo. Após o aparecimento das manchas, a persistência da febre é um sinal de alerta e pode indicar gravidade, principalmente em crianças menores de 5 anos de idade", informou o Ministério da Saúde.