Quase seis anos após o crime, a Justiça determinou que um júri popular irá julgar o motorista inabilitado que atropelou Kamylla Francielly, de 5 anos, e a mãe dela, em uma rua do bairro Alto Vera Cruz. A menina morreu no local e o condutor irá responder pelos crimes de homicídio e tentativa de homicídio.

Segundo o Fórum Lafayette, a sentença que submete o réu a julgamento pelo júri popular foi prolatada em maio de 2020, quando os prazos para réus soltos ainda estava suspensos em função da pandemia, e publicada no último dia 14 de outubro de 2020.

Na tarde do dia 16 de novembro de 2014, mãe e filha foram atropeladas enquanto estavam na calçada da rua Padre Café. O motorista não tinha habilitação, estava sob efeito de bebida alcoólica e estava em velocidade superior à permitida.

De acordo com o Ministério Público, o réu deveria realizar um serviço de limpeza no carro, mas decidiu dirigir o veículo pelas ruas do bairro, mesmo sem ter experiência como motorista. Ao perder o controle do veículo, ele bateu em um muro, na lateral de uma Kombi estacionada para depois subir na calçada e atingir as vítimas. Ele tentou fugir, mas foi contido por moradores do bairro.

Para o juiz sumariante do 1º Tribunal do Júri, Marcelo Rodrigues Fioravante, ficou claro que o réu assumiu o risco de matar ao dirigir sem habilitação e sob efeito de entorpecente. Por isso, deverá responder por homicídio – crime que é, no Brasil, julgado por um Tribunal do Júri.