Terminou em acordo preliminar a audiência de conciliação entre a Vale, representantes dos atingidos por barragens e órgãos da Justiça, nesta quarta-feira (20), para reparar os danos causados pelo rompimento de barragens da Mina do Feijão, em Brumadinho, na Região Metropolitana de Belo Horizonte.

Segundo o procurador Edmundo Antônio Dias, os valores negociados foram estabelecidos em um salário mínimo mensal para cada adulto, meio salário para cada adolescente e um 1/4 do salário mínimo para cada criança. Conforme o Ministério Público, o pagamento será feito mensalmente por no mínimo um ano.

O acordo contempla ainda quem mora em uma faixa de aproximadamente um quilômetro do Rio Paraopeba, entre Brumadinho e a Hidrelétrica Retiro Baixo, em Pompéu, no Centro-Oeste de Minas. 

Ficou definido também que a mineradora vai ressarcir todos os gastos que o Estado teve após o rompimento da barragem da Mina do Feijão.

Em audiências realizadas desde a tragédia, já foi autorizado o levantamento de R$ 13.447.891,50, para ressarcimento das despesas que o Estado de Minas Gerais teve com gastos dos serviços emergenciais. Esse valor foi retirado do montante de R$ 1 bilhão bloqueado da empresa no processo com pedido de tutela antecipada na Justiça.

Uma nova audiência para discutir questões ainda pendentes ficou marcada para 7 de março.

Leia mais:
Lama levaria 1h para atingir Rio Acima e 2h para chegar em Itabirito, segundo Defesa Civil
Gerentes da Vale prestam depoimento no Ministério Público em Belo Horizonte
PM e Defesa Civil interditam BR-356 após alerta de risco de rompimento de barragem
Moradores de Brumadinho protestam contra a Vale na porta do Tribunal de Justiça de Minas Gerais