O Ministério Público do Trabalho de Minas Gerais (MPT-MG) e a Vale se reuniram nesta sexta-feira (15) em uma audiência de conciliação na Justiça, em Betim, na Região Metropolitana de Belo Horizonte. 

Entre os itens aprovados na reunião estão o pagamento de despesas com funeral, translado de corpo e sepultamento de trabalhadores diretos e terceirizados, além de liberação do seguro de vida para dependentes desses empregados, continuidade do pagamento de salários para os desaparecidos e tratamento psicológico e psiquiátrico integral para todos os envolvidos.

A mineradora também se comprometeu a não demitir ninguém e a ainda não transferir nenhum empregado até a próxima audiência, marcada para sexta-feira (22).

A proposta da Vale envolve o pagamento de indenização por danos morais de acordo com o parentesco com as vítimas. Cônjuge ou companheiro receberia R$ 300 mil, cada filho R$ 300 mil, cada pai e mãe R$ 150 mil, cada irmão e irmã R$ 75 mil. Além disso, o acordo sugerido incluía plano de saúde para os familiares do morto e pagamento mensal correspondente a dois terços do salário líquido do trabalhador até a data em que ele completaria 75 anos. Isso valeria tanto para os empregados da Vale como também para os terceirizados. 

Já o MPT apresentou uma proposta de acordo para assegurar o pagamento de, no mínimo, R$ 2 milhões de indenização por dano individual ao grupo familiar dos trabalhadores mortos ou desaparecidos no rompimento da barragem.

A ação civil pública foi ajuizada pelo MPT devido ao rompimento da barragem da mineradora em Brumadinho, na Região Metropolitana de Belo Horizonte. A tragédia ocorreu no início da tarde do dia 25 de janeiro, na Mina Feijão, e os rejeitos atingiram a área administrativa da companhia, incluindo um refeitório e parte da comunidade da Vila Ferteco. O número de mortos já chegou a 166 e 144 pessoas continuam desaparecidas.

Leia mais:
​Funcionários da Vale detidos: veja o papel de cada um na tragédia em Brumadinho
Documentos indicam que tragédia da Vale em Brumadinho foi crime, diz MPMG
Operário mais antigo na mina alertou que barragem estava condenada meses antes do rompimento