Para que os bombeiros consigam continuar os trabalhos de busca por vítimas do rompimento da barragem da Mina do Córrego do Feijão, Em Brumadinho, no período chuvoso, a Vale instalou duas tendas nas proximidades do ribeirão Ferro-Carvão. Juntas, elas abrangem uma área de 15 mil metros quadrados.

De acordo com a mineradora, dentro das tendas são dispostos os rejeitos mais úmidos, removidos por escavadeiras e caminhões, para que os Bombeiros tenham a condição necessária para dar continuidade às buscas.

A Vale explicou que ventiladores de alta potência são usados para inflar a lona e para trocar o ar dentro das tendas até três vezes por hora, mantendo a estabilidade e o controle ambiental dos rejeitos.    

O Corpo de Bombeiros informou que a utilização da tenda por parte dos militares depende de alguns ajustes técnicos que já estão sendo providenciados pela mineradora.

"Tão logo sejam implementados, os bombeiros iniciarão os trabalhos de forma direta dentro das tendas. É importante salientar que, apesar de os militares não estarem operando dentro das novas instalações, as tendas não estão ociosas. Os materiais depositados demandam tempo de secagem, o que é fundamental para o bom andamento da operação", informou a corporação por meio de nota.

Nesta quinta-feira (19), 80 bombeiros trabalham pelo 329° dia em busca por vítimas. A tragédia do dia 25 de janeiro provocou a morte de 257 pessoas. Outras 13 permanecem desaparecidas. São 14 frentes de trabalho, tendo à disposição 140 maquinários e um drone. 

Leia mais:
Vale entrega obras que visam reduzir chegada de lama ao rio Paraopeba
MP e Vale negociam auditoria em barragem com trincas em Macacos
Mudança de estado físico de rejeitos causou rompimento da barragem em Brumadinho, mostra estudo