O diretor-executivo de Finanças e Relações com Investidores da Vale, Luciano Siani, anunciou nesta segunda-feira (28), que a empresa vai doar R$ 100 mil, de imediato, a cada família de vítima que morreu após o rompimento da barragem da mineradora em Brumadinho, na Região Metropolitana de Belo Horizonte.

Siani afirmou que essa quantia não tem a ver com indenização. "Sabemos que o valor nesses casos seria muito maior e precisam ser feitas em conjunto com as autoridades", explicou Siani.

Ele também declarou, durante a entrevista coletiva no Rio de Janeiro, que a Vale vai pagar ao município uma compensação financeira no valor equivalente ao que pagaria se a produção da mineradora não tivesse sido comprometida pelo rompimento da barragem. "A cidade de Brumadinho não vai perder nenhum royalty", disse Siani, acrescentando que a arrecadação do município no ano passado foi de aproximadamente R$140 milhões.

Ainda de acordo com o executivo, uma equipe de psicólogos do hospital Albert Einstein, especializada em tratamento de grandes tragédias, foi contratada para auxiliar as famílias das vítimas da tragédia.

Com relação aos impactos ambientais, Luciano Siani informou que a partir desta terça-feira (30), a empresa vai colocar uma cortina de contenção no Rio Paraopeba, para impedir que o rejeito afete a captação de água da cidade de Pará de Minas, na região Central do Estado.

Leia mais:
Polícia Federal e PGR apuram irregularidades e responsabilidades em acidente de Brumadinho
Comissão de Valores Mobiliários abre processo contra a Vale
Greenpeace pede suspensão de atividade em 167 barragens de rejeitos da Vale
Vale e executivos devem ser responsabilizados, defende Raquel Dodge
'Nada foi feito para prevenir', diz promotor do caso de Mariana