A Vale informou que começou a trocar os piezômetros por equipamentos automáticos na barragem B3/B4, no distrito de São Sebastião das Águas Claras, conhecido como Macacos, em Nova Lima, na Região Metropolitana de Belo Horizonte. 

A operação começou nessa quinta-feira (11) e de acordo com a mineradora, os 18 piezômetros manuais, equipamentos que monitoram as barragens estão sendo substituídos por equipamentos automáticos.

A mina está em nível 3 de segurança, ou seja, com alto risco de rompimento da barragem. A previsão da mineradora é que o trabalho de substituição dure cerca de uma semana.

O procedimento, segundo a empresa, é para garantir maior frequência de informações dos instrumentos, com dados obtidos a distância, o que reduz a exposição de funcionários na barragem, além de garantir maior precisão para a medição do nível de segurança da estrutura. O trabalho feito com técnica de rapel e alpinismo é feito por equipes especializadas e treinadas para a ação. 

Ainda segundo a mineradora, dos 108 piezômetros que monitoram a barragem Forquilhas III, na Mina da Fábrica, em Ouro Preto, 50 serão substituídos pelos equipamentos automáticos.

A barragem B3/B4, em Nova Lima está no no nível máximo para risco de rompimento, definido pela Agência Nacional de Mineração (ANM). No dia 27 de março, quando a estrutura passou do nível 2 para o nível 3 de segurança, sirenes foram acionadas no distrito. Desde fevereiro, famílias que viviam na zona de autossalvamento estão fora de casa.

Leia mais:
Trânsito em vias próximas de barragem em emergência é liberado em Macacos
CPI de Brumadinho recebe documentos que provariam negligência da Vale sobre risco em barragem
Diretores da Vale conseguem habeas corpus para não depor em CPI de Brumadinho