A variação do preço de legumes em sacolões de Belo Horizonte chega a superar 300%. É o que aponta uma pesquisa do Mercado Mineiro, que realizou um levantamento dos preços de alguns legumes, verduras e frutas em 15 estabelecimentos da capital entre 29 de janeiro e 4 de fevereiro deste ano.
 
Segundo o estudo, em relação aos legumes a maior variação encontrada foi no quilo do pepino, que tem diferença de 303,33% entre os estabelecimentos, podendo custar de R$0,99 até R$3,99. O tomate pode ser encontrado a preços que vão de R$1,99 a R$7,99, uma variação de 301,51%. Dentre as verduras, a acelga foi o item que apresentou a maior variação - de 155,38% - sendo encontrada pelo menor preço de R$1,95 e o maior de R$4,98. 
 
Já a alface americana pode custar de R$2,00 até R$3,59, diferença de 79,50% entre os estabelecimentos pesquisados. Quanto as frutas, a maior variação foi de 307,14%, índice apresentados nos preços do limão tahiti, que pode custar desde R$0,98 até R$3,99. A banana caturra é encontrada a preços que vão de R$1,28 a R$3,99, diferença de 211,72%. 
 
Se comparados os preços médios de agosto de 2014 e fevereiro de 2015, pode-se perceber aumentos em grande parte dos itens pesquisados. Entre os legumes, o maior aumento de preço médio foi no quilo da batata, que custava R$1,79 e passou a custar R$4,12, reajuste de 130,17%. 
 
O chuchu, que em agosto custava cerca de R$1,90 e em outubro passou a custar cerca de R$3,92, apresentou aumento de 106,32%. Entre as frutas, a que sofreu maior aumento foi o abacate que custava R$3,15, e com reajuste de 100,63%, passou a custar R$6,32. Já o preço médio da melancia passou de R$1,29 para R$2,01, aumento de 55,81%. 
 
Entre os preços médios das verduras, o maior aumento foi de 0,33%, detectado no preço médio da acelga que era de R$3,01 e atualmente é de R$3,02. Já a alface americana, que custava cerca de R$3,07, está custando cerca de R$2,98, queda de 2,93%. 
 
Segundo a pesquisa, as grandes variações dos preços podem ser justificadas devido a qualidade dos produtos, período de safra e também a localidade do sacolão.
 
A pesquisa completa esta disponível neste link.
 
(* Com Mercado Mineiro)