Foi divulgada, nesta segunda-feira (30), pela Polícia Civil (PC), a identificação da 250ª vítima do rompimento da barragem em Brumadinho, na Região Metropolitana de Belo Horizonte. O corpo de Luciano de Almeida Rocha, que tinha 39 anos na época do colapso da estrutura da mineradora Vale, foi encontrado pelo Corpo de Bombeiros na manhã de domingo (29) e identificado pela arcada dentária no mesmo dia. Outras 20 pessoas seguem desaparecidas. 

Luciano era geógrafo e trabalhava com topografia. Procurada pela reportagem do Hoje em Dia, a assessoria de imprensa da Vale confirmou que ele era contratado da empresa, porém, disse que não comenta identificação de vítimas da tragédia. O encontro do corpo aconteceu pouco mais de 8 meses depois da tragédia, ocorrida no dia 25 de janeiro deste ano. 

luciano de almeida rocha
Luciano tinha 39 anos quando o mar de lama matou ele e outras 249 pessoas

Ainda de acordo com a instituição policial, o militares dos bombeiros localizaram o corpo praticamente inteiro, na área do Remanso 4, por volta das 10h. Os trabalhos da necrópsia começaram por volta de 12h30 e foram concluídos com a identificação do trabalhador morto antes das 22h.

A última localização de vítima em Brumadinho havia ocorrido em 31 de agosto. De acordo com o Corpo de Bombeiros, “a localização foi mais uma vez possível graças ao trabalho de inteligência que está sendo realizado pelas equipes do CBMMG desde o início do atendimento da ocorrência, com um efetivo que envolve mais de 150 militares por dia”.

Mais detalhes sobre a vítima e o trabalho de identificação serão repassados na tarde desta segunda, em uma coletiva de imprensa que será concedida pelo superintendente de Polícia Técnico-Científica, Thales Bittencourt de Barcelos.

Leia mais:
Corpo encontrado em Brumadinho é identificado pela arcada dentária
Bombeiros encontram corpo inteiro no 248º dia de buscas em Brumadinho
​​
Vale terá de revisar estudos sobre possíveis rompimentos em 91 estruturas localizadas em Minas
Tragédia em Brumadinho completa oito meses com 249 mortos, 21 desaparecidos e nenhum preso